quinta-feira, 17 de janeiro de 2019

Vem aí a CNN Brasil e pode travar guerra com a GloboNews


CNN anuncia lançamento de canal Brasil e pode travar guerra com GloboNews na era Bolsonaro

Do Portal Sergipano

No ar desde 1996, a GloboNews reina absoluta no segmento de notícias da TV paga. Está sempre entre os canais melhor colocados no ranking de audiência. Chegou a ser o sétimo mais visto no final de 2018.

Essa posição confortável foi conquistada, sem dúvida, pela qualidade da programação. Mas há outro fator relevante: a falta de um concorrente forte.

RecordNews, lançada em 2007, e Band News, no ar desde 2005, nunca ameaçaram a liderança de público e influência do canal de notícias do Grupo Globo.

Agora surge uma nova emissora do gênero com potencial para acirrar a competição pelo público ávido por informações e análises a respeito, principalmente, de política e economia.

Após 17 anos na Record, Douglas Tavolaro, que era vice-presidente de jornalismo, desligou-se do canal para instalar a CNN Brasil, espécie de franquia da mais poderosa emissora de notícias do planeta, sediada em Atlanta, no estado americano da Geórgia.

A CNN existe desde 1980. Tornou-se mais conhecida pela cobertura de guerras no Oriente e o time estrelado de repórteres, comentaristas e correspondentes.

Hoje, é a TV mais odiada pelo presidente dos Estados Unidos Donald Trump. Contrapõe o jornalismo pró-Casa Branca praticado pela rival Fox News.

A CNN Brasil deverá começar a transmitir ainda este ano. “Nosso objetivo é contribuir com a democratização da informação no País”, afirma o fundador e presidente da construtora MRV, Rubens Menin, responsável pelo investimento milionário da operação.

Texto e imagem reproduzidos do site: portalsergipano.com

terça-feira, 15 de janeiro de 2019

Vice-presidente de jornalismo deixa a Record para criar a CNN Brasil

Imagem: Divulgação

Publicado originalmente no site do Portal Comunique-se

Vice-presidente de jornalismo deixa a Record para criar a CNN Brasil

Douglas Tavolaro será o diretor-geral (ou CEO) da CNN Brasil. Para liderar o novo projeto, o jornalista deixou o a Record TV, onde tinha 17 anos de casa. 

Por Anderson Scardoelli

O setor de televisão por assinatura do país contará com mais um canal de notícias a partir do segundo semestre. Trata-se da CNN Brasil, que surge a partir do licenciamento feito pelo grupo liderado pelo empresário Rubens Menin e o jornalista Douglas Tavolaro. Com o novo desafio, Tavolaro se desligou do cargo de vice-presidente de jornalismo da Record TV nesta segunda-feira, 14.

Além de marcar presença no line up das principais operadoras de TV, a CNN Brasil promete ser ativa em ambiente online. “Canal de notícias multiplataforma” é a forma pela qual o projeto é definido por seus idealizadores. Para isso, a marca tende a seguir os passos da empresa responsável pelo licenciamento no âmbito nacional. A CNN norte-americana conta, por exemplo, com perfis em Facebook, YouTube, Twitter e Instagram — além de site oficial.

Com o acordo com a CNN International Commercial (CNNIC), a futura emissora hard news do Brasil contará com os conteúdos produzidos pelas mais diversas praças do conglomerado de mídia espalhadas pelo mundo. O acordo, no entanto, prevê a manutenção das operações da CNN International e a CNN en Español. Comunicado enviado à imprensa informa que as duas divisões não fazem parte do negócio selado para o mais novo negócio.

Movimentando o setor

A chegada da CNN Brasil deve movimentar o mercado da comunicação do país. Informações dão conta de que a empresa pensa em contar com ao menos 400 jornalistas em sua estreia. Apuração da reportagem do Portal Comunique-se indica que o processo seletivo será aberto ao decorrer das próximas semanas. Além de comunicadores, a lista de vagas contemplará profissionais de parte técnica e administrativo. A ideia principal é “recrutar e treinar jornalistas e equipes de produção”.

Douglas Tavolaro, será o jornalista 
a comandar a CNN Brasil 
Imagem: divulgação

Sob comando de Rubens Menin e Douglas Tavolaro, a CNN Brasil visará a produção de conteúdo informativo. Vinte quatro horas por dia. Sete dias por semana. Para isso, o projeto terá redações em São Paulo, Rio de Janeiro e Brasília. Fora o espaço na TV por assinatura e nas mídias digitais, a marca pretende ser reconhecida como agência de notícias. Além da estrutura, o projeto terá correspondentes internacionais em seus quadros de colaboradores.

A dupla à frente da CNN Brasil

Com passagem pela equipe de reportagem da IstoÉ, Tavolaro consolidou a sua carreira como comunicador-gestor na Record TV. Na emissora, foi produtor, editor-chefe do ‘Repórter Record’ e diretor de jornalismo. Autor da biografia de Edir Macedo, ele ultimamente ocupava a vice-presidência de jornalismo do canal mantido pelo fundador da Igreja Universal do Reino de Deus. Com a experiência adquirida, o jornalista será o diretor-geral (ou CEO) da CNN no Brasil. Estará à frente de toda a formatação da equipe a ser contratada.

“Estou deixando um dos maiores e mais importantes grupos de mídia do país com gratidão por tudo o que vivi lá e não poderia estar mais animado sobre esta próxima fase da minha carreira”, afirma Douglas Tavolaro. Apesar de externar o seu sentimento para com a Record TV, o comunicador-gestor demonstra entusiasmo com a sua nova fase profissional. “A CNN é um ícone global e a parceria com essa marca é o sonho de um jornalista se tornando realidade”, enfatiza o jornalista.

Você sabia? Antes de ocupar cargos de gestão no jornalismo da Record TV, Douglas Tavolaro foi repórter da revista IstoÉ

Fundador da MRV Engenharia, do Banco Inter e da LOG Commercial Properties, Rubens Menin será o presidente do Conselho de Administração (ou chairman) da CNN Brasil. Agora com a chancela de empresário da comunicação, ele se prepara para gerenciar mais um negócio com reconhecimento internacional. Em 2018, ele foi eleito o empreendedor do ano pela consultoria EY.

O empresário Rubens Menin. Ele será o chairman 
da mais nova emissora de notícias do país 
Imagem: divulgação

“Nosso objetivo é contribuir com a democratização da informação no Brasil. Um país com uma sociedade livre e desenvolvida só é construído com uma imprensa plural”, afirma Rubens Menin. O executivo analisa que a chegada da CNN Brasil será positiva para toda a imprensa do país. “Já existem boas plataformas de notícias localmente, mas acreditamos que há espaço para uma nova opção. A chegada de uma grande marca fortalece e valoriza o jornalismo. Estamos felizes e motivados com esse acordo com a CNN”, pontua.

Relacionamento com a imprensa

O processo seletivo para definir as equipes da CNN Brasil será feito ao decorrer dos próximos meses. Uma contratação, porém, já foi feita pela mais nova empresa de mídia do país: a assessoria de imprensa. O relacionamento da empresa com jornalistas e outros veículos se dará por meio da Spokesman Comunicação. Baseada na capital paulista, a agência disponibiliza para contatos o e-mail imprensacnnbrasil@spokesman.com.br e o telefone 11-3884-0860. A conta será atendida por Ricardo Frota e Maurício Storelli.

Substituto de Tavolaro na Record

Com a saída de Douglas Tavolaro, a Record TV já tem um novo vice-presidente de jornalismo. E ele já está há 10 anos no grupo de comunicação. O escolhido para o cargo foi Antonio Guerreiro. Com mais de três décadas de carreira no ramo da comunicação, o mais novo VP da emissora foi um dos criadores do portal R7. Especialista em inovação, Guerreiro era o atual superintendente de estratégia multiplataforma.

Em nota, a direção do canal reforça que a promoção deve resultar em melhorias no deparamento de notícias da televisão. “A chegada de Antonio Guerreiro ao jornalismo Record TV dará continuidade a linha editorial de credibilidade, sucesso e audiência da emissora e agregará, com sua experiência, uma aposta na modernidade e inovação tecnológica que em breve estarão em nossos telejornais e programas jornalísticos”. Por ora, a Record ainda não definiu quem ocupará o cargo deixado por Antonio Guerreiro.

Antonio Guerreiro é o novo vice-presidente 
de jornalismo da Record TV 
Imagem: Eduardo Enomoto/Record

-----------------------------------
Anderson Scardoelli - Jornalista, 28 anos. Formado pela Universidade Nove de Julho (Uninove) e pós-graduado em jornalismo digital pela ESPM. Há nove anos no Grupo Comunique-se, onde idealizou os projetos 'Correspondente Universitário' e 'Leitor-Articulista'. Na empresa, já atuou como freelancer (inserção de conteúdo), estagiário de pesquisa, estagiário de redação, trainee de redação, subeditor e editor-júnior. É, desde maio de 2016, o editor responsável pelo Portal Comunique-se e pelo conteúdo do Prêmio Comunique-se.

Texto e imagens reproduzidos do site: portal.comunique-se.com.br

sexta-feira, 21 de dezembro de 2018

Pesquisa do IBGE aponta que caiu número de lares com Tv...


Publicado originalmente no site Antenados na SKY e Cia 21 de dezembro de 2018

Pesquisa do IBGE aponta que caiu número de lares com Tv aberta no Brasil, Tv paga e por parabólica em 2017

Em 2017, cai o número de lares com televisão no Brasil, como mostra a PNAD Contínua de TIC, divulgada pelo IBGE nesta quinta-feira (20). Entre os 70,4 milhões domicílios particulares permanentes do país, 3,3% não havia televisão. Esse percentual era de 2,8% em 2016. A parcela de domicílios que tinha televisão de tela fina subiu de 65% para 69,7% e a que tinha televisão de tubo caiu de 44,9% para 38,9%. Em 57,8% dos domicílios havia somente televisão de tela fina e em 27%, somente televisão de tubo.

A pesquisa mostra que, dos 68,1 milhões de domicílios com televisão, 79,8% tinham conversor (integrado ou adaptado) para receber o sinal digital de televisão aberta, ainda que não o estivesse captando. Em 2016, essa taxa era de 71,5%. Nos domicílios com televisão, o percentual dos que tinham este aparelho com conversor que já recebia sinal digital de televisão aberta cresceu de 57,3% (2016) para 66,6% (2017).

De 2016 para 2017, caiu de 10,3% (6,9 milhões) para 6,2% (4,2 milhões) a parcela dos domicílios que não tinham nenhuma das três condições de acesso ao sinal digital de televisão aberta (conversor, antena parabólica ou serviço de televisão por assinatura). Em área urbana, a queda foi de 10,5% (6,1 milhões) para 6,1% (3,6 milhões), e em área rural, de 9% (794 mil) para 6,8% (598 mil). Entre as grandes regiões, os maiores percentuais foram no Norte (11,3%) e no Nordeste (8,1%), tanto em área urbana como rural.

Parabólica

O percentual de domicílios com televisão que tinham recepção por antena parabólica caiu de 34,8% para 32,5%, na área rural caiu de 73,1% para 70,5% e na urbana, de 29,0% para 26,9%.

No país, de 2016 para 2017, o percentual de domicílios que utilizavam a recepção do sinal de televisão por meio de antena parabólica também recuou de 29% para 26,9%, nos domicílios da área urbana, e de 73,1% para 70,5%, nos da área rural.

TV paga

Já o serviço de televisão por assinatura era utilizado em 32,8% dos domicílios com televisão em 2017 e em 33,7% em 2016. Em área urbana, esse percentual variou de 36,9% (2016) para 35,6% (2017) e, em área rural, subiu de 11,7% (2016) para 14,1% (2017).

Entre os domicílios sem televisão por assinatura, 55,3% não o adquiriam por considerá-lo caro e 39,8%, por não haver interesse pelo serviço, enquanto somente 1,6% não adquiriu por não estar disponível na área em que se localizava.

Texto e imagem reproduzidos do site: antenadosnaskyecia.blogspot.com

quinta-feira, 6 de dezembro de 2018

Japão inaugura seu primeiro canal de TV com transmissão em 8K


Publicado originalmente no blog Antenados na Sky e Cia, em 04/12/2018

Japão inaugura seu primeiro canal de TV com transmissão em 8K

A imagem tem 33 milhões de pixels e 24 canais de áudio, com transmissão que acontece durante 12 horas por dia

O Japão inaugurou o mundo da resolução 8K em transmissão de TV, com seu primeiro canal que entrega aos consumidores resolução muito maior do que o, agora obsoleto, 4K. Para receber o sinal, japoneses precisam de um set-top-box com cinco cabos HDMI e uma TV que suporte tamanha resolução.

O início da transmissão aconteceu neste sábado (1) e contou com a presença de executivos da emissora NHK, além do ministro de comunicações do Japão, Masatoshi Ishida. Além de imagens com 7680 x 4320 pixels, a novidade entrega a opção de 24 canais de áudio para quem tem tanta caixa de som espalhada pela sala e faz isso durante 12 horas por dia.

O primeiro filme em 8K para o canal foi 2001: Uma Odisseia no Espaço, que teve os negativos originais em 65 milímetros escaneados especialmente para o acontecimento. Mesmo para o Japão, que tem aparato de ponta em tecnologia, TV 8K ainda é algo raro e muito caro.

Não só isso, já que até mesmo o padrão HDMI 2.1, para 8K, ainda não está presente nos poucos modelos de televisores que utilizam a mais alta resolução do mercado atual. Para deixar a entrega do sinal ainda mais complicada, quem assiste precisa de um set-top-box específico e uma antena diferente – que são vendidos separadamente e por mais dinheiro ainda.

A partir deste aparelho que recebe as informações da emissora, quatro cabos HDMI levam o conteúdo para a tela, com um extra e separado apenas para os canais de áudio. O curioso é que a NHK está testando o 8K desde 1995 e só agora conseguiu disponibilizar para quem assiste.

O objetivo do Japão é de gravar e transmitir os Jogos Olímpicos de 2020 em 8K, junto dos jogos Paralímpicos do mesmo ano. O Japão tende a cumprir a promessa, mesmo que para pouquíssimas pessoas no mundo acompanharem cenas com tantos detalhes.

Ah, sim, a NHK utiliza um canal em 8K e outro em 4K, para quem ainda não tem uma TV tão cara assim.

TECNOBLOG

Texto e imagem reproduzidos do blog: antenadosnaskyecia.blogspot.com

Telecine Play passa a ser oferecido de forma independente...


Publicado originalmente no blog Antenados na Sky e Cia, em 29/11/2018

Telecine Play passa a ser oferecido de forma independente das operadoras de TV

Por:Fernando Lauterjung

O Telecine Play será oferecido de forma independente das operadoras de TV  "em poucos dias, menos de uma semana", disse o diretor geral da Globoplay, João Mesquita, durante o NexTV Series, que acontece nestas quarta e quinta em São Paulo.

A este noticiário, Mesquita explicou que a oferta usará uma nova plataforma de billing que passa a operar no final desta semana e atenderá todos os produtos de vídeo digital do grupo, incluindo Globoplay e Premiere – que hoje usam uma plataforma que, segundo ele, não atende todas as necessidades do grupo.

"Teremos a chance de trabalhar conjuntamente os nossos produtos (com a nova plataforma de billing). Os próprios canais Globosat também passarão a ser oferecidos em algum momento", disse durante o evento. Segundo o executivo, ainda não há data para outros lançamentos.

Mesquita conta que o plano é ser "um porto seguro" para outros produtos e conteúdos, inclusive de parceiros. "Estrategicamente, quanto mais parceiros quiserem trabalhar conosco, melhor. Com certeza teremos novos produtos (de outros parceiros) em nosso marketplace", disse.

Disrupção

Segundo o diretor geral do Globoplay, a ideia não criar uma disputa com o serviço de TV por assinatura tradicional. "Nada do que estamos fazendo é uma tentativa de criar uma disrupção. A disrupção já chegou há muito tempo. Tenho certeza de que nenhum produto vai tirar um assinante da TV por assinatura", disse.

Mesquita abordou anda o modelo de negócios. Ele lembra que o DNA do grupo é a publicidade. "É natural olhar para o Globoplay procurando uma forma de rentabilizar com publicidade", disse. Ainda assim, o assinante do serviço pago não vê publicidade.

"O Globoplay em particular tem 20 milhões de pessoas que o consumem, entre grátis e pago. Há um mundo gigante de pessoas que consomem o grátis, muito mais que o pago, e acredito que se mantenha assim", disse. Portanto, o modelo remunerado por publicidade é fundamental.

A grande dificuldade hoje é explicar para "o público médio" a diferença entre o serviço grátis, com publicidade, e o pago, sem publicidade, com o conteúdos que exclusivos. "A conversão em assinatura do conteúdo original da Globo é menor do que o internacional licenciado. O espectador imagina que (o conteúdo da Globo) logo estará disponível na TV aberta. Temos que tomar cuidado, portanto, com o que é exclusivo e o que não é", diz.

TELA VIVA

Texto e imagem reproduzidos do blog: antenadosnaskyecia.blogspot.com

segunda-feira, 1 de outubro de 2018

Balanço Geral SE, TV Atalaia, com Ricardo Marques

Foto: Divulgação/TV Sergipe

Por Higor Trindade

Ricardo Marques, ex-diretor de jornalismo da TV SERGIPE, aceitou o desafio e comandará o programa Balanço Geral SE, edição das 11h50. A estreia acontecerá no dia 01 de outubro. O competente jornalista que dispensa apresentações, foi durante anos apresentador do SETV 1ª e 2ª Edição, na TV Sergipe.

Texto reproduzido no site: portal79.com.br

sábado, 25 de agosto de 2018

Jamile Pavlova, agora na TV Sergipe




Fotos: Elson Mota /TV Sergipe

Publicado originalmente no site da TV Sergipe, em 13/07/2018

Jamile Pavlova entra para o time do Combinado: ‘Já me sinto em casa’

A jornalista, eleita Musa do Corinthians em 2012, conta que está pronta para se jogar no entretenimento

Por Elson Mota, da Programação

De bem com a vida, sorridente e com o astral lá em cima, Jamile Pavlova parece seguir à risca o lema que escolheu para chamar de seu: andar sempre com o sorriso no rosto e olhar tudo pelo lado bom. Depois de um tempo se dedicando ao jornalismo esportivo, a profissional encara um novo desafio, abraça o entretenimento e chega ao Combinado para dividir a reportagem com Brucce Cabral e completar o time com o apresentador Menilson Filho.

A estreia da jornalista já tem dia e hora para acontecer. Será no sábado, 21 de julho, às 14h, marcando também a volta do programa à grade da TV Sergipe após uma pausa para exibição dos jogos da Copa do Mundo 2018. Formada há quatro anos, a jovem acumula muitas experiências no currículo e já atuou no rádio, na internet e na TV.

“Quando entrei na faculdade, eu queria fazer jornalismo esportivo. Entrei com esse objetivo porque sempre gostei muito de esporte”, conta. “Só que nunca tive vocação para fazer nada nessa área, em esporte algum. Foi aí que algumas pessoas me aconselharam a fazer comunicação, já que eu era muito comunicativa, desenrolada e gostava muito de conversar", revela.

"Ao cursar jornalismo, percebi que eu poderia falar sobre esporte e unir duas paixões: a comunicação e o mundo esportivo.”

Por falar em esporte, o preferido dela é futebol. É sobre esse assunto que ela mais gosta de conversar quando está em uma roda de conversa entre amigos. Acompanhar partidas dos mais diversos campeonatos está entre os hobbies que ela mais curte. Seu time do coração é o Corinthians, do qual já foi eleita musa em 2012. Ela conta como foi o processo.

“O concurso surgiu quando eu ainda era estudante de jornalismo. Eu estava na metade do curso e aí começou a circular pelas redes sociais uma notícia do site oficial do Corinthians, que informava que o time iria eleger uma musa e que as inscrições seriam pela internet, no próprio site”, detalha. “Eu já tinha visto e não tive coragem de participar, mas como vários amigos mandaram o link para mim, decidi fazer a inscrição. Não achei que seria escolhida”, admite.

O resultado da primeira etapa veio um mês depois. Das seiscentas candidatas inscritas, a equipe do time tinha selecionado apenas três para a próxima fase, que seria uma votação aberta pelo site oficial. Jamile era uma delas e, no fim da disputa, saiu vencedora.

“Foi incrível! Eu fui escolhida pelos torcedores de todo o Brasil para representar o time que eu amo.”

Ao falar com orgulho de sua trajetória até os dias atuais, a jornalista olha para o futuro com entusiasmo, ainda mais porque tem um motivo especial para isso. “Quando recebi o convite para participar do Combinado, eu achei muito legal. Sou uma pessoa muito extrovertida, gosto de sempre estar brincando com as coisas, com as situações", confessa.

"Nas minhas redes sociais, já faço algo que parte para o lado do entretenimento, uma coisa mais leve, e acho que o programa tem muito disso. Sem falar na equipe e em todos da TV Sergipe, que me acolheram muito bem. Eu realmente já me sinto em casa."

Apesar de ter dedicado a maior parte de sua carreira ao jornalismo esportivo, ela comenta que está preparada para se jogar de vez no entretenimento, área que certamente vai permitir que, vez ou outra, ela retorne às “origens” esportivas. Sobre o que o público pode esperar da Jamile repórter do Combinado, ela avisa: “Barulho! Se não for para fazer barulho, eu nem saio de casa”, brinca.

Texto e imagens reproduzidos do site: gshow.globo.com/TV-Sergipe

Bom Dia Sábado com Lays Rocha - Estreia em 25/08/2018



Fotos: TV Sergipe

Publicado originalmente no site da TV Sergipe, em 24/08/2018

Lays Rocha conta que se emocionou ao ser convidada para apresentar o Bom Dia Sábado

A jornalista também relembra experiência que viveu durante visita à TV Sergipe, quando ainda era estudante universitária

Por Elson Mota, da Programação

Sonho é uma palavra que tem um significado muito importante na vida de Lays Rocha. Foi por sonhar alto que, quando ainda era estudante de Jornalismo, ela comentou para uma colega de faculdade durante uma visita à sede da TV Sergipe: ‘Eu ainda vou ser apresentadora de um telejornal aqui’. O tempo passou e tudo conspirou para isso. Agora, anos depois, ela se prepara para sua estreia no posto que sempre sonhou.

Neste sábado, 25, a jornalista passa a comandar o novo telejornal da emissora, o Bom Dia Sábado, que vai ao ar das 08h30 às 09h. Depois de contar a história que abre essa matéria, ela faz questão de demonstrar sua alegria. “Eu vou ser bem sincera. Para mim, é a realização de um sonho mesmo. Eu fiquei muito emocionada com o convite. Acho que Deus me ouviu e resolveu me presentear com isso”, conta.

Lays Rocha chegou à TV Sergipe em abril de 2015. Antes, a profissional atuou nas áreas de assessoria de comunicação, webjornalismo e radiojornalismo. Sua primeira função na emissora foi a de repórter, tarefa que desempenhou por três meses até assumir a apresentação da edição da tarde do Sergipe Notícia, boletim informativo exibido nos intervalos da programação.

Durante o processo de transição de repórter para apresentadora, a jornalista participou da produção dos telejornais durante um mês. Foi nesse período que ela passou a exercer a função de editora do SETV 2ª Edição. Lays também participa do grupo de apresentadores que reveza o comando dos telejornais aos sábados.

Para ela, gratidão é a palavra que melhor define o início dessa nova fase de sua carreira. “Estou muito feliz e grata porque é uma demonstração da confiança que a emissora deposita em mim. Nesses três anos, a gente olha para trás e pensa assim: ‘Meu Deus! Como passou depressa, quanta coisa eu tive oportunidade de vivenciar’”, relata. “Acho que vai ser uma oportunidade bacana de a gente ter um novo espaço com o telespectador, em mais um dia da semana, e isso será enriquecedor”, complementa.

Segundo a profissional, um dos fatores responsáveis pelo bom resultado de tudo o que é produzido pela TV Sergipe é o trabalho em equipe. “É uma grande marca da emissora. Nesses anos em que estou aqui, tive oportunidade de passar por várias áreas e perceber que esse espírito de coletividade não é exclusivo de determinado telejornal ou programa, mas é uma marca de todos. A equipe trabalha em conjunto sempre”, avalia.

Sobre o Bom Dia Sábado, ela adianta o que o público pode esperar. “Com certeza será mais um espaço aberto para que o telespectador tenha voz, tenha a possibilidade de fazer as suas cobranças e tenha a oportunidade de se manter ainda mais informado. Vai ser bacana o nosso início de sábado juntos, vai ser especial. Eu espero contar com o apoio dos nossos queridos telespectadores”, finaliza.

Texto e imagens reproduzidos do site: redeglobo.globo.com/se/tvsergipe

quinta-feira, 2 de agosto de 2018

Netflix está perto de bater Net e Sky e ser a maior TV paga do Brasil

Netflix (Mike Blake/Reuters)

Publicado originalmente no site da revista EXAME, em 01 de agosto de 2018

Netflix está perto de bater Net e Sky e ser a maior TV paga do Brasil

Segundo consultoria, Netflix deve chegar a 10 milhões de usuários até o final de 2018.

Por Mariana Desidério 

São Paulo – A Netflix está perto de vencer as TV’s por assinatura no Brasil. Pelo menos segundo um estudo da consultoria Ampere Analysis, que mostra que o serviço de streaming pela internet terá até o fim do ano mais usuários por aqui do que a Net maior operadora de TV por assinatura do país.

A Netflix não revela oficialmente quantos assinantes tem no Brasil, mas segundo a consultoria, deve chegar a 10 milhões de usuários até o final de 2018. Em termos de contratos, isso corresponde a 24% do mercado de TV por assinatura. A discrepância se deve ao compartilhamento de senhas, segundo informações do Teletime, que promoveu o evento PayTV Forum, onde o estudo foi apresentado.

Já a Net e Claro TV têm juntas 8,9 milhões de assinantes, enquanto a Sky tem 5,2 milhões, segundo dados da Anatel (Agência Nacional de Telecomunicações).

Apesar de ultrapassar as concorrentes em número de usuários na projeção da consultoria, a Netflix ainda fica com apenas 5% do total de receitas do mercado, segundo o estudo, devido ao preço das assinaturas. 

Outro dado mostra que, no país, 8% das casas usam serviços de vídeo sob demanda como principal forma de assistir televisão. Nos Estados Unidos, este número é aproximadamente 13%, enquanto os maiores mercados são Austrália (17%) e México (16%).

Texto e imagem reproduzidos do site: exame.abril.com.br

quarta-feira, 1 de agosto de 2018

Para combater a crise no setor Globosat e sky pedem união


Publicado originalmente no site Antenados na Sky e Cia, em 31 de julho de 2018 

Para combater a crise no setor Globosat e sky pedem união

O diretor geral da Globosat, Alberto Pecegueiro, e o CEO da Sky, Luiz Eduardo Baptista, cobraram, durante o PAYTV Forum, que acontece esta semana em São Paulo, união do setor para proteger a TV paga dos entrantes no mercado de conteúdo. "Estamos sempre sendo desafiados e o entrante sempre tem a simpatia. O negócio da TV paga sempre encontra reação do consumidor", disse Pecegueiro. "Estamos numa era em que todos os 'seres jurássicos' têm que se unir. Temos um legado a defender. Tem muito o que podemos fazer em cooperação, mantendo ainda alguma concorrência", concordou Baptista. Para eles. A indústria de TV por assinatura tem muito a mostrar e um grande valor conjunto, quando olhado sob a ótica da oferta de todos os canais, mas muitas vezes isso acaba não sendo percebido.

Pecegueiro fez duras críticas ao modelo da Netflix no evento. Segundo ele, ao entregar conteúdo por um valor baixo, a plataforma destrói o valor da TV por assinatura. "Netflix tem inúmeras qualidades. Ninguém questiona as novidades tecnológicas e a mudança no hábito de consumo que ela trouxe. A questão é que o modelo de precificação ainda é insuficiente. Até que encontre um modelo sustentável, ela é uma destruidora do valor do setor", disse. "Por que se entrega tanto conteúdo por tão pouco valor?", questionou.

Segundo ele, os estúdios já admitem que criaram um monstro ao ceder conteúdos à Netflix. Hoje, a plataforma destina grande volume de recursos a produções exclusivas, enquanto os estúdio começaram a retirar seus conteúdos. "Esses conteúdos (dos estúdios) ainda representam 70% a 80% dos acessos. Aumentar o volume de produção própria, em nível global, pode ser irresponsável", disse o executivo. Para Pecegueiro, como o Brasil é o segundo mercado da plataforma, é também  desse investimento. O executivo diz que o investimento por aqui, no entanto, é de qualidade duvidosa, "como aconteceu conosco no passado". A série "3%", produzida para a Netflix no Brasil pela Boutique, chegou a ser, entretanto, a série de língua não-inglesa mais assistida dos EUA.

O executivo destaca que o volume de conteúdo na TV paga é substancialmente maior. "Em 2017, o conjunto das programadoras da TV paga ofereceu 2,3 mil séries. A Netflix tem 1,2 mil", disse. Ele se refere a conteúdo com dois ou mais episódios.

O diretor geral da Globosat atacou ainda a entrada dos players online na disputa de direitos esportivos. "A bolha do preço de direitos esportivos cresce e estoura periodicamente, mas como pode crescer exponencialmente enquanto o país vive sua pior recessão. Ninguém aqui está soltando foguetes. Por quê o segmento esportivo está fora desse processo? Por que alguém vai se dispor a pagar o dobro do que foi pago no último ano?"

Segundo Pecegueiro, a compra dos direitos da Champions League pelo Facebook foi "um processo não ético". Além disso, ele diz que a rede social não sabia qual é realmente o negócio: "Agora tem que produzir os jogos e não sabe fazer isso". Para o executivo, o investimento não vai se pagar. "Eles vão aprender isso. Coletivamente a indústria de TV é muito forte. Dá para segurar até eles aprenderem", afirmou, ao ser questionado se esses novos modelos trazidos não corriam o risco de desestruturar a indústria de TV paga até que um modelo de equilíbrio fosse encontrado.

Crise

Os dois executivos comentaram também a queda de base no setor. "Não percebemos queda de demanda. Há muita 'desconexão involuntária' (quando a operadora corta o sinal por inadimplência). Acabou o dinheiro, mas o assinante ainda percebe o valor do produto", disse Pecegueiro. "Todos nós perdemos margem, mas colocamos em primeiro lugar a qualidade porque sabemos que uma hora saímos dessa encrenca. Esses ciclos da economia brasileira – na hora que sai, tem que ter um produto bom para entregar.

Para Baptista, pode-se apresentar diferentes explicações sobre a retração do setor nos últimos anos com base em mudanças de hábitos, novas aspirações, evolução da tecnologia etc. Mas o que vale mesmo para explicar é a falta de renda. "Temos uma indústria que tem uma correlação íntima com o índice de emprego", disse. "Tomamos a decisão há quatro anos de ser intolerante com quem não pode pagar o custo mínimo do que entregamos. Para quem ficou, temos resultados melhores. Quem achávamos quera coisa momentânea, contemporizamos. Mas os outros, deixamos ir".

Para o presidente da Sky,  o setor precisa se reorganizar para um processo de cadeia de valor com desintermediação. "Vai sobreviver quem tiver o marketing de conteúdo parrudo. Me vejo como muito mais que uma operadora: um distribuidor de conteúdo", disse.

O presidente da operadora de DTH lembrou ainda que o desarranjo do mercado traz o tema da curadoria. A questão a ser resolvida é como se criar um market place de conteúdos, incluindo a curadoria das operadoras. Para a Sky, "fair share" de cada elo vai mudar, mas os grandes market places de conteúdos, os shopping centers, não vão morrer. "Eu não trabalho para destruir valor de nada que não tenha um swap imediato", disse o executivo. "Os entraves são os conflitos de como fazer. Como sair do modelo a para o B".

Texto e imagem reproduzidos do site: antenadosnaskyecia.blogspot.com

terça-feira, 31 de julho de 2018

Programa É Coisa Nossa, na TV Câmara Aracaju

 Programa  É Coisa Nossa, na TV Câmara Aracaju, 
Apresentado por Valadão

Fotos reproduzidas do Facebook/Valadão Valadão.

sábado, 21 de julho de 2018

Jamile Pavlova no "Combinado", da TV Sergipe

Jamile Pavlova (foto: Elson Mota)

Âncora Feminina 

Depois do hiato de algumas semanas em decorrência da Copa do Mundo da Rússia 2018, o televisivo "Combinado" está de volta à grade da programação da "TV Sergipe" e chega trazendo novidade. Com a saída da jornalista 'Fernanda Pinheiro', a presença feminina do programa exibido nas tardes de sábado, será ocupado pela apresentadora 'Jamile Pavlova'.  A estreia da jornalista será neste sábado, 21, às 14h...

Texto e imagem reproduzidos do site: bacanudo.com

sábado, 14 de julho de 2018

Como escolher a TV ideal para sua casa?


Publicado originalmente no site Comunicação VIP, em 5 de junho de 2018

Como escolher a TV ideal para sua casa?

Com a proximidade da Copa do Mundo e do São João, começaram as buscas por televisores. A rede supermercadista GBarbosa prevê crescimento de 30% nas vendas de televisores até o início dos jogos, em especial das TVs acima de 43 polegadas. De acordo com o gerente comercial de Eletro do GBarbosa, Luciano Hoffmann, as vendas começaram a esquentar a partir da última semana de maio e os modelos mais procurados são as de telas a partir de 43 até 65 polegadas com na tecnologia 4k, que oferece mais qualidade de imagem e som.

A partir deste fim de semana, todos os itens de Eletro participantes da campanha terão um plano de pagamento diferenciado, com a facilidade de pagamento em até 18x sem juros ou 24x com juros no Cartão Cencosud/GBarbosa.

 Como escolher sua TV?

Existem muitos modelos, tamanhos e resoluções de TV. Como fazer a escolha certa? Levar uma HD, Full HD ou UHD 4K? As telas LED são o tipo mais encontrado nas lojas. Os LEDs permitem maior controle sobre o nível de luz e por isso as imagens têm melhores contrastes e brilho. “As TVs de LED também são mais econômicas. Há telas de LED extremamente finas e/ou com bordas quase que imperceptíveis à primeira vista”, informa Hoffmann.

Para quem busca uma tela grande, assim como as de cinema, podem escolher aquelas com imagens HD ou Full HD.  A diferença está na resolução ou no número de pixels por polegada: enquanto o HD possui 720p, a TV Full HD tem 1080p. “Quando maior a resolução, melhor a nitidez da imagem”, orienta o gerente de Eletro. O cliente tem que considerar ainda o tamanho do lugar onde a TV vai ficar, pois quanto maior a tela, maior deve ser a distância entre ela e o sofá, evitando incômodos na visão.


Já a TV 4K ou Ultra HD (2.160 pixels) é mais indicada para telas a partir de 43 polegadas. O preço da nova tecnologia vem muito competitivo comparado aos modelos já conhecidos.  Para Hoffmann é uma excelente escolha para quem não quer perder nenhum mínimo detalhe dos jogos.

Os clientes podem encontrar outros produtos para a acompanhar a Copa do Mundo, como aparelhos de som de alta potência para festejar com muita música as vitórias do Brasil; smartphones e tablets para discutir os jogos online com os amigos via redes sociais e registrar os encontros com belas fotos. “Há ainda celulares e smartphones com acesso à TV, para o telespectador assistir os jogos em qualquer lugar”, dá a dica Hoffmann.

Texto e imagens reproduzidos do site: comunicacaovip.com.br

terça-feira, 10 de julho de 2018

Conheça a SOT TV nova plataforma de distribuição de conteúdo


Publicado originalmente no blog Antenados na Sky e Cia, em 04/07/2018

Conheça a SOT TV nova plataforma de distribuição de conteúdo que promete concorrer com as principais operadoras de Tv no Brasil

SOT chega iniciando operações no Brasil e Mercosul através dos aparelhos de TV  e celulares, além de todas as tecnologias conectadas à internet

Já imaginou assistir uma programação variada, em HD, usando pouca velocidade de internet e gastando apenas R$ 11 por mês? A SOT não só imaginou como fez! O Sistema Operacional de Televisão é uma plataforma para assistir conteúdos via streaming, que é considerado o futuro do entretenimento, afinal, de acordo com pesquisas, 139 milhões de brasileiros são usuários de internet.

Fruto de um grupo de investidores brasileiros e estrangeiros, o Sistema SOT começar a operar no Brasil a partir desta noite. A empresa chega para concorrer com as operadoras Net, Vivo e Sky, porém o diferencial consiste em acessos através dos aparelhos de TV SMARTS, Apple TV e celulares, como também em todos os aparelhos que se conectem à Internet.

Dessa forma, conteúdos que hoje funcionam de maneira regional, poderão ser expandidos para a condição de projeção nacional, por exemplo, dando ao usuário uma opção prática de entretenimento em qualquer local, com muito mais variedade, já que dispensa o uso de cabos e fios.

A plataforma começa a operar com a taxa de R$ 11 por mês e o usuário pode utilizar várias formas de pagamento. É só baixar o aplicativo no celular, clicar em assinar e preencher com os dados solicitados. Ao chegar na tela de pagamento, é possível escolher entre cartão de crédito ou débito ou, ainda, o Pincash, um sistema de pagamento similar ao carregamento de crédito no celular. O usuário escolhe em que estabelecimento quer pagar a taxa: são mais de 330 mil locais espalhados pelo Brasil. As vantagens não param por aí: o assinante não precisa utilizar nenhum cartão e, ainda, não há consulta aos órgãos de proteção de crédito.

A superintendência artística da SOT é feita por Milton Neves, respeitado diretor que já trabalhou com Gugu e Eliana, entre outros artistas. "O sistema é único e a implantação está a todo vapor. Já começaremos com Brasil, logo em seguida com Bolívia, Paraguai e Argentina. Nos países vizinhos, nossas assinaturas começarão com U$11,00. A ferramenta é tão inovadora que já chamou a atenção da imprensa brasileira. O canal ainda conta com inovações na programação como o reality de Sula Miranda, uma programação infantil inovadora e otalk show Na Lata, de Antônia Fontenelle", diz Milton.

Além disso, a SOT está negociando outros conteúdos e novos canais serão abertos e disponibilizados, ainda durante o mês do lançamento do serviço. "Alguns televisores já estão saindo de fábrica com o aplicativo da SOT homologado e inserido na tela de compra. Isso facilita demais o acesso ao nosso sistema, que tem a missão de levar informação e conteúdo de qualidade, sem fronteiras", finaliza o diretor.

Para mais informações acesse  ao site: sottv.com.br

Texto e imagem reproduzidos do blog: antenadosnaskyecia.blogspot.com