sábado, 3 de dezembro de 2016

Repórter Lilian Fonsêca

Lílian Fonsêca/via Instagram.

"E quando a altura não te favoreceu e você precisa entrevistar alguém "um pouco mais alto", o que fazer?! Claro que não vai se desesperar, é só pegar o "banquinho" e tá tudo certo! Ah! Agradeço ao Deputado Georgeo Passos a compreensão!". (Lilian Fonsêca).

Foto e Legenda reproduzidos do Facebook/Lilian Fonsêca.

quinta-feira, 1 de dezembro de 2016

História da Televisão em Sergipe

Imagem simplesmente ilustrativa, postado por Imagem da TeleVisão.

TV em Sergipe
Por Felipe Freire.

A partir da metade da década de 60 a TV Tupi era a única emissora assistida nos lares Sergipanos, fato possível através da captação do sinal franco vindo de Recife.

O responsável em colocar Sergipe na rota do desenvolvimento da comunicação foi Irineu Fontes representante de Rádios e Radiolas, que ao retornar de uma viagem a São Paulo sentiu de perto o fascínio que a TV causava nas pessoas.

Não demorou muito para que em 1965, na gestão do Prefeito de Godofredo Diniz Irineu Fontes, Irineu convencesse o Prefeito a destinar a verba para compra da antena a ser instalada no alto do morro do Urubu, zona norte da cidade, marco inicial das transmissões de TV em Sergipe.

Com os avanços tecnológicos e interesses de grupos empresariais do comércio local que enxergavam o potencial de mercado que a TV produzia fora do estado, investiram no projeto de Nairson Meneses funcionário da TV Excelsior  que desde 1959 pretendia através da Assembleia Legislativa implantar uma estação de TV em Sergipe, mas retorna para São Paulo por não vencer as eleições.

Com 900 ações vendidas o grupo de empresários lança o projeto da primeira emissora de TV de Sergipe e conseguem êxito, pois em 1967 é realizada a primeira transmissão da TV Sergipe sendo a primeira emissora montada com equipamentos produzidos no Brasil. Como não havia mão de obra especializada, foram utilizados operadores com experiência no rádio e cinema.

Outra a filiada da TV Tupi foi a TV Atalaia fundada em 1975 foi a pioneira na transmissão em cores no Norte/Nordeste, no estado a transmitir sinal pelo sistema digital e do Nordeste a exibir telejornais locais em alta definição (HD).

Até a década de 80 em Sergipe possuía duas emissoras de TV de formato comercial, mas em 1985 surge à primeira TV pública do estado, a TV Aperipê. Em 1997, a TV Canção Nova foi fundada após a aquisição da concessão e equipamentos da antiga TV Jornal.

Foi outorgado para a cidade de Barra dos Coqueiros o Canal 15, geradora de caráter educativo que ainda não está no ar. Para Aracaju a próxima geradora comercial que ainda está em concorrência será no Canal 46. Em 2007 foi aberto pelo Ministério das Comunicações o novo edital para mais uma emissora aberta em Aracaju com o valor mínimo de 2,5 milhões.

EMISSORAS EXTINTAS

TV JORNAL: foi criado em 1987 com transmissão da Rede Manchete sendo umas das primeiras do Nordeste. Em 1993, passou a transmitir a Bandeirantes após dez anos os donos da emissora João Alves e Maria do Carmo anunciaram a venda da TV Jornal à TV Católica Canção nova.

ATALAIA NEWS: Transmitida pela LIG TV atual NET, o canal exibia matérias da TV Atalaia em programas reduzidos pela própria emissora, foi a emissora que passou menos tempo no ar, com a programação exibida ao público no curto período de dois anos (2001-2003).

TV CAJU: É o segundo canal de televisão local por assinatura, chegou a ser filiada à Rede Diário. Sua programação era totalmente focada em conteúdo local. Em 2013 encerrou suas atividades. (2001-2013)

EMISSORAS NO AR

TV SERGIPE

Criada em 1971 foi a primeira emissora do Estado. Canal 04 VHF (TV Tupi – Aratu – Globo)

TV ATALAIA

Inaugurada em 1975 foi a segunda emissora de TV criada em Sergipe. Canal 08 VHF (TV Tupi – Bandeirantes – SBT – Rede Record)

APERIPÊ TV

Primeira emissora pública de Sergipe fundada em 1985. Canal 02 VHF (TVE – TV Cultura – TV Brasil)

TV Canção Nova

Criada em 1997, a antiga TV Jornal, é uma das poucas emissoras sergipanas dedicadas a programação local. Canal 13 VHF (Canção Nova)

TV Gênesis

O canal está autorizado como educativa e não há previsão para que entre no ar. Canal 15 VHF (Rede Gênesis)

EMISSORAS POR ASSINATURA

+TVC

Criada em 1998 foi o primeiro canal local de televisão por assinatura de Aracaju e a primeira emissora sergipana de conteúdo totalmente local. Em 2006 tornou-se filiada da Rede TV, mas em 2013 retornou a ser totalmente local.

TV Alese

Criado em 2004 o canal da Assembleia Legislativa do Estado de Sergipe desde sua fundação busca o interesse de uma concessão para TV aberta, mas as tentativas foram rejeitadas pelo ministério das comunicações.

Texto reproduzido do blog: rtvsergipe.wordpress.com

quarta-feira, 19 de outubro de 2016

Amigos falam da trajetória de Nairson Menezes

Nairson Menezes (Fotos: Arquivo Pessoal).

Publicado originalmente no site do Portal Infonet, em 27/05/2012.

Amigos falam da trajetória de Nairson Menezes

O Portal Infonet conversou com alguns amigos do publicitário

Sergipe está de luto. Perde um comunicador e um grande visionário na publicidade de Sergipe. Estou falando do publicitário Nairson Menezes, que foi sepultado na manhã deste domingo, (27 de maio de 2912), após ter falecido na noite do último sábado, dia 26, vítima de falência múltipla dos órgãos.

Um visionário, Nairson foi o fundador da primeira agência de publicidade de Sergipe, - intitulada NMenezes. Participou de diversas campanhas publicitárias importantes, na área comercial e também política; levou o telefone para as rádios sergipanas apresentando o Disque Disco, que atendia o gosto popular musical. Ele ainda contribuiu para a fundação da TV Sergipe e sempre teve grande influência na área de comunicação.

O Portal Infonet conversou com alguns amigos e admiradores do trabalho de Nairson Menezes que falaram um pouco da trajetória deste homem revolucionário. O primeiro deles foi o conselheiro do Tribunal de Contas do Estado (TCE), Reinaldo Moura. “Ele foi o profissional mais competente que eu conheci até agora. Posso falar isso porque eu comecei com ele na Rádio Difusora que hoje é Fundação Aperipê e construímos a partir daí uma história. Depois ele voltou pra São Paulo, retornou a Aracaju. Nessa época eu já tinha ido pra Salvador, que eu fui pra Rádio Sociedade da Bahia, em seguida ele foi também. Momento esse em que foram vários radialistas daqui, ele, Dermeval, Mauricio Menezes, Acival Gomes e eu já estava lá. Lá, Nairson foi novamente meu diretor na Rádio Sociedade da Bahia. Então eu devo muito a Nairson, se é que eu aprendi alguma coisa, devo a ele, se é que eu ensinei também, claro que ele foi responsável por isso”, conta

Ainda segundo Reinaldo Moura, o publicitário foi um homem à frente da sua época. “Ele introduziu algumas inovações no rádio, coisas que ele trouxe de quando dirigiu a Rádio Bandeirantes de São Paulo. Ele introduziu aqui no rádio sergipano, a participação de ouvintes pelo telefone, foi uma novidade, ninguém nunca tinha feito isso. A distribuição de prêmio ao ouvinte que participasse, também, foi uma outra inovação de Nairson. Depois ele tentou uma carreira política, não foi bem sucedido, mas foi talvez o responsável pela primeira agência de publicidade realmente estruturada e organizada, com produção e tudo.  E pra concluir essa passagem vitoriosa pela vida, ele ainda foi o responsável por ter plantado a semente que terminou sendo hoje a TV Sergipe, ainda como repetidora e que terminou numa emissora estruturada e a emissora veio dessa capacidade criativa de Nairson Menezes”, define o conselheiro.

Para o comunicador Jairo Alves, Nairson Menezes nunca será esquecido. “O Nailson foi o primeiro em tudo. Quando ele chegou de São Paulo, ele foi diretor da TV Record e da Rádio Record, antes de Silvio Santos comprar a Rádio Record, então ele veio para Aracaju e revolucionou o rádio. Foi o primeiro a introduzir ouvintes pedindo músicas através do telefone, primeiro agente publicitário e teve a primeira agência publicitária. Então tudo o que se fala dele ainda é muito pouco pela importância que ele exerceu na comunicação”, conta.

Outro conhecido e admirador do trabalho do publicitário, o amigo e jornalista Pascoal Maynard, fez questão de ressaltar a importância do comunicador. “Ele foi um grande amigo, sempre presente. Eu tive algumas experiências profissionais com ele, que muito me ajudou na minha profissão. Nailson era uma pessoa inteligentíssima, muito competente, correto, uma pessoa muito dedicada a sua profissão e aos amigos. Nailson era isso, um profissional de excelência e um amigo”, ressalta.

O jornalista Ivan Valença também acompanhou o trabalho do publicitário e falou sobre o comunicador. “Como Diretor da rádio Difusora nos anos 50, foi ele quem renovou o rádio introduzindo auditórios e foi ele quem fez uma revolução através das emissoras do governo. Foi um baluarte na comunicação e só tenho a dizer que Sergipe perde um homem excepcional”, garante o jornalista.

Texto e imagem reproduzidos do site: infonet.com.br

quarta-feira, 1 de junho de 2016

Globo e NHK, farão a primeira transmissão terrestre, ao vivo e em 8K...


Globo e NHK, farão a primeira transmissão terrestre, ao vivo e em 8K, nos Jogos Olímpicos.

Quem estiver no Rio durante os Jogos Olímpicos poderá ter uma experiência inédita com a tecnologia que é considerada o futuro da TV. A Globo, em parceria com a emissora japonesa NHK, que vem inovando com as imagens em ultra-alta definição (UHD), fará as primeiras transmissões ao vivo em 8K abertas ao público durante os Jogos Olímpicos 2016. Segundo especialistas, o 8K oferece o padrão mais avançado em qualidade de imagem perceptível ao olho humano, com uma resolução 16 vezes superior ao HD.

As sessões serão realizadas no Museu do Amanhã e incluem a transmissão das cerimônias de abertura e de encerramento, além de competições de diversas modalidades esportivas.

"No Brasil ainda estamos consolidando a migração dos telespectadores para a TV digital em HD, mas a evolução tecnológica não para e, nós da Globo, já estamos estudando a próxima geração de tecnologias para a TV aberta. Essa demonstração reforça a importância da TV aberta e sua evolução para uma experiência mais imersiva com o UHD", afirma Raymundo Barros, diretor de Tecnologia da Globo.

A tecnologia 8K é considerada a próxima fronteira da indústria audiovisual, que irá suceder o 4K. A Globo vem investindo na produção de conteúdo em UHD desde 2012, quando produziu em 4K o filme 'O Tempo e o Vento'. Desde então, a emissora ampliou o seu parque tecnológico e, atualmente, disponibiliza os títulos 'Ligações Perigosas' e 'Dupla Identidade', também em 4K, pelo Globo Play. 

Atenta às inovações da indústria, a Globo iniciou suas primeiras experiências em 8K em 2013, com o Carnaval, e no ano seguinte com a demonstração de jogos ao vivo da Copa do Mundo da FIFA 2014, com transmissão por fibra ótica sempre em parceria com a NHK. Esta é a primeira vez no mundo em que haverá uma transmissão terrestre ao vivo em 8K, que será viabilizada pela utilização racional do espectro eletromagnético – técnica considerada uma evolução do atual padrão do sistema.

Fonte: Esporte e Mídia.

Texto e imagem reproduzidos do blog: antenadosnaskyecia.blogspot.com.br

NET prepara-se para lançar recurso "REPLAY TV".


NET prepara-se para lançar recurso "REPLAY TV".

A TV Magazine apurou em primeira­mão exclusiva que a NET prepara­-se para lançar o Replay TV. Com esse novo recurso, o assinante poderá assistir programas passados. Confira todos os detalhes.

O Replay TV estará disponível para todos os clientes com Pacote Top HD Max, que possuem equipamento Pace (HDC 7421) e Technicolor (DCI 804). Quando liberada, a funcionalidade é disponibilizada automaticamente, bastando desligar e ligar o decodificador.

Com o Replay TV, o assinante poderá retroceder a programação de duas formas:

Recomeçar o programa atual: no Miniguia, através do botão Opções, o botão "Recomeçar Evento" fará com que o programa que está passando naquele momento seja exibido desde o início.

Retornar a programação em até 7 dias: no Guia de Programação, o canal poderá apresentar o ícone "Replay TV". Através desse ícone, será possível navegar na programação passada do canal. Basta selecionar um programa e apertar OK para assistí­lo.

Neste lançamento, os seguintes canais HD poderão ter sua programação retrocedida: SporTV (539), SporTV 2 (538), Globo News (540), GNT (541), Multishow (542), Viva (543), TLC (552), Discovery Home & Health (555), Discovery Channel (580), Discovery Kids (600), Gloob (601), Disney Channel (602), Cartoon Network (604), TNT (651) e Space (654).

Fonte: tvmagazine.com.br

Texto reproduzidos do blog: antenadosnaskyecia.blogspot.com.br

quinta-feira, 26 de maio de 2016

TV passa pela maior revolução da história, afirma crítico do UOL


Publicado originalmente no site da UOL, em 23/05/2016.

Adeus, Controle Remoto.

TV passa pela maior revolução da história, afirma crítico do UOL

Por Daniel Castro.

A televisão brasileira está passando pela "mais profunda transformação" já ocorrida nos 65 anos de existência do veículo no país. A revolução digital está obrigando a mídia mais poderosa do planeta a se reinventar. Novas plataformas de distribuição estão mudando os hábitos de consumo e destruindo um dos pilares da televisão como a conhecemos, a grade linear. Responsável pela guinada ao popularesco, duas décadas atrás, o controle remoto tende à extinção.

É o que defende, em linhas gerais, o principal crítico de televisão do país, Mauricio Stycer, no livro Adeus, Controle Remoto. A obra (editora Arquipélago, 256 páginas, R$ 44,90) reúne textos publicados pelo jornalista em seu blog no UOL e na Folha de S.Paulo nos últimos cinco anos. Mas não se trata de uma simples coletânea. Agrupados por tema e entrelaçados por novos textos, os artigos traçam um painel crítico e profundo do momento pelo qual passa a televisão mundial. Stycer vai do beijo gay de Amor à Vida (2013) a Mad Men (sua série preferida na última metade de década). Discute o impacto da Netflix, do YouTube e das novas estratégias narrativas. Com texto saboroso, passeia pela baixaria, pela apelação e elege os momentos mais constrangedores que se viu obrigado, profissionalmente, a testemunhar. Reconhece, também, que a televisão é capaz de produzir conteúdo de alta qualidade.

O livro terá noite de autógrafos hoje (23), a partir das 19h, na livraria Blooks, no shopping Frei Caneca (rua Frei Caneca, 569, região central de São Paulo). Stycer deu a seguinte entrevista ao Notícias da TV, em que discute tópicos centrais de seu livro:

Seu livro defende que a televisão está passando pela mais profunda transformação já vivida pelo veículo. O título sugere que o controle remoto vai virar peça de museu. Que revolução é essa? Você arriscaria dizer que o televisor um dia vai migrar para outras telas completamente?

Mauricio Stycer: Em poucas palavras, a revolução é ver o que você quiser, na hora em que bem entender, no aparelho de sua escolha _o próprio televisor, o telefone, o tablet, o notebook etc. Quando falo "adeus, controle remoto", quero dizer especialmente que o hábito de zapear vai acabar. Cada vez faz menos sentido sentar diante de um aparelho de TV e ficar procurando o que ver entre 200 canais. O aparelinho de controle remoto, em si, ainda servirá para ligar e desligar algumas máquinas. O aparelho de televisão ainda tem vida, mas se você pesquisar entre os jovens, verá que diminui o número dos que ainda veem TV prioritariamente desta forma.

Novas plataformas como Netflix e YouTube, que trazem um modo diferente de consumir conteúdo audiovisual, são uma ameaça para a televisão tradicional? O vídeo de dois minutos vai substituir o capítulo da novela? O conteúdo on demand, ou à la carte, vai substituir a grade linear?

Stycer: O espectador é um ser passivo diante da grade linear. Só tem duas opções: ver ou não ver o que determinada emissora está oferecendo. A Netflix e outros serviços, sejam de streaming, sejam de compra on demand, alteraram totalmente essa lógica. Ao tornar o consumidor dono dos horários e do quanto quer ver (o binge-watching), a revolução digital promove uma reeducação. Sobre o YouTube, o que me chama a atenção hoje é ver youtubers querendo aparecer na televisão. Acho que há algum problema aí. Não deveria estar ocorrendo o contrário?

No terceiro capítulo (O Futuro Ainda não Começou), você afirma que a televisão brasileira terá um salto de qualidade quando os recursos de publicidade diminuírem. Como assim? A fartura de recursos financeiros estimula a guerra pela audiência e, consequentemente, a baixaria, certo? Mas, para se produzir com qualidade, também não é necessário ter dinheiro, já que televisão é um negócio caro?

Stycer: Você tem toda razão. No modelo de televisão mantido por publicidade, ela é essencial para o desenvolvimento de bons produtos. Esta frase que você citou, fora do contexto, realmente pode permitir uma leitura errada. Concluo a introdução do capítulo sobre baixaria dizendo isso. É que me espanto de, ainda hoje, emissoras criarem programas orientados exclusivamente pela obsessão em conseguir audiência. Assim têm nascido algumas aberrações, como o Domingo Show, da Record. O que tentei dizer é que só quando os anunciantes pararem de apoiar iniciativas desse tipo é que haverá um salto de qualidade na TV aberta.

Isso já aconteceu antes?

Stycer: Já. O SBT viveu essa experiência alguns anos depois do seu lançamento, em meados dos anos 1980. Tinha uma programação de baixíssima qualidade, mas poucos anunciantes. Silvio Santos foi, então, convencido a dar um salto de qualidade. Trouxe Jô Soares, Boris Casoy...

Você se considera um telespectador profissional desde 2008. Quais foram as maiores apelações e baixarias que você viu nesses oito anos? E o que mais te impressionou positivamente?

Stycer: Sem pensar muito (para a lista não ficar muito grande), acho que a maior aberração que vi na TV nos últimos anos foi a "entrevista" com Bilu, o ET de Corguinho, exibida pelo Domingo Espetacular, da Record, em outubro de 2010. E, em segundo lugar, o debate promovido no Domingo Show, da mesma emissora, em 2014, sobre as "provas" de que Michael Jackson estaria vivo.
Positivamente, falando apenas de TV aberta, também tenho uma lista grande. Para não cometer injustiças, eu citaria o esforço de vários autores e diretores de novela de revitalizarem o gênero. No livro, menciono alguns desses exemplos.

O que você assiste atualmente com prazer, não apenas pelo dever profissional? E o que não assistiria, se não precisasse?

Stycer: Hoje, em maio de 2016, ainda falando somente de TV aberta, assisto com prazer Velho Chico, Profissão Repórter, qualquer coisa que Silvio Santos faça e, para mencionar um "guilty pleasure", o reality Power Couple. Se não fosse pelo dever profissional, eu não acompanharia com tanta atenção (vejo diariamente) várias novelas no ar.

Texto e imagem reproduzidos do site: noticiasdatv.uol.com.br

terça-feira, 24 de maio de 2016

Os 41 anos da TV Atalaia


Publicado originalmente no site A8 SE., em 23/05/2016.

Os 41 anos da TV Atalaia.

Criada graças a visão de futuro do empresário AUGUSTO FRANCO e depois administrada pelos seus herdeiros, com destaque para WALTER FRANCO, a TV ATALAIA se consolidou.

Por: Jorge Araújo.

Na última terça-feira, 17 de maio, a TV ATALAIA comemorou seus 41 anos de existência, com o registro de uma empresa de comunicação consolidada e integrante do dia-a-dia da vida dos sergipanos.

Criada graças a visão de futuro do empresário AUGUSTO FRANCO e depois administrada pelos seus herdeiros, com destaque para WALTER FRANCO, a TV ATALAIA se consolidou de tal forma que ocupa hoje posição de destaque na imprensa do estado e do nordeste.

A TV ATALAIA surgia portanto no tempo em que apenas a TV Sergipe reinava absoluta, com destaque para a programação local. A TV Sergipe chegou a apresentar 03 programas de auditório ao vivo, nas tardes de sábado e um outro nas manhãs do domingo

Tive o privilégio de participar dos primeiros dias de atividades da TV Atalaia. Na época em maio de 1975 ao lado de HILTON LOPES e JOÃO DE BARROS, produzimos e apresentamos o primeiro programa local. Era o Sábado Geral. O programa era uma parte gravado durante a semana e na tarde de sábado, era completado ao vivo. Enquanto abordava assuntos esportivos, JOÃO DE BARROS tratava de sociedade e HILTON LOPES, de música.

Tudo isso tinha a coordenação competente de CARLO MOTA, diretor da emissora e que se preocupava com tudo que acontecia. CARLO MOTA acompanhava todas as gravações, participava da produção, opinava e dava o tom da emissora. Apesar das dificuldades da época, o SÁBADO GERAL apareceu como uma boa opção. O programa era bem estruturado, tinha um modelo diferente o que lhe rendeu uma boa audiência.

Vale registrar ainda naquela época, nomes importantes como SÉRGIO GUTEMBERG, no jornalismo e DERMEVAL GOMES como apresentador dos Telejornais e que também ajudava na produção do Sábado Geral. Era uma verdadeira família, que teve como Superintendente em sua implantação o amigo FERNANDO FRANCO que depois chegou a ser Desembargador do nosso Tribunal de Justiça. FERNANDO FRANCO, foi inclusive quem assinou meu contrato de trabalho com a emissora. Ele era uma figura simples, afável e que nos primeiros meses de atividades da emissora teve uma missão importante para a consolidação da TV Atalaia.

Cerca de seis meses depois ao sair da TV Atalaia e já sob o comando de CÉSAR FRANCO, deixei a emissora e o Sábado Geral continuou com HILTON LOPES, BARRINHOS e com a contratação de REINALDO MOURA que passou a apresentar o programa. Os cumprimentos portanto aqueles que fazem hoje a TV ATALAIA e que ao longo dos anos levaram a emissora a se firmar no mercado e se constituir em orgulho dos sergipanos.

Texto reproduzido do site: a8se.com

terça-feira, 17 de novembro de 2015

TV Sergipe comemora 44 anos no dia 15 de novembro






Publicado originalmente no site TV Sergipe, em 04/11/2015 

TV Sergipe lança vídeos especiais para celebrar aniversário de 44 anos.

A partir desta quarta, 04, o público vai poder conferir as produções nos intervalos da programação da emissora.

Por Elson Mota.

Mantendo o compromisso de estar cada vez mais perto dos telespectadores e investindo cada vez mais em conteúdo e tecnologia, a TV Sergipe comemora 44 anos no próximo dia 15 de novembro. Para celebrar a data especial, a emissora preparou diversas ações e surpresas.

A partir desta quarta-feira, 04, o público vai poder conferir uma série de vídeos especiais nos intervalos da programação. Ao todo serão sete filmes, cada um com duração de um minuto, nos quais, apresentadores e repórteres falam de suas experiências na emissora, da responsabilidade de entrar na casa dos sergipanos e do amor que sentem pela profissão que escolheram.

As gravações aconteceram na última quarta-feira, 28, na sede da TV Sergipe, com a participação de Ricardo Marques e Susane Vidal, apresentadores do SETV 1ª e 2ª Edição, respectivamente; de Lyderwan Santos, do Bom Dia Sergipe, e de Menilson Filho, um dos apresentadores do Combinado. Os repórteres Guilherme Fraga, Carla Suzanne e Anna Fontes também participam da ação.

O objetivo dos vídeos é abrir as portas da emissora para o público e contar um pouco mais da história dos profissionais que ele está acostumado a assistir pela TV. Jornalistas que se dedicam ao máximo para levar informação com profissionalismo, que possuem sentimentos e se emocionam com as notícias que passam adiante.

Milton Goulart, da agência IdIdeia, responsável pela produção dos filmes comemorativos, explica o propósito da ação. “Os telespectadores sempre têm a curiosidade de saber um pouco mais sobre a vida dos profissionais que eles tanto admiram. Com esses vídeos, queremos mostrar justamente isso, que os jornalistas são pessoas comuns, que riem, choram e sentem, assim como eles”, completou.

Além dos filmes especiais, a TV Sergipe também está exibindo um vídeo de trinta segundos, mostrando os programas e telejornais da emissora, através de fotos dos apresentadores.

Texto e imagens reproduzidos do site: g1.globo.com/se/sergipe