quinta-feira, 8 de fevereiro de 2018

No ar, mais um campeão de audiência...



Imagens divulgação TV Sergipe. Publicadas pelo blog:
 "Imagem da Televisão", para ilustrar o presente artigo.

Texto publicado originalmente no site Liberdades, em 13/12/2017.

No ar, mais um campeão de audiência...
Por: Nestor Amazonas*

Tal qual uma novela da Globo, daqueles de reviravoltas onde no final tudo acaba bem, bem no estilo de Janete Clair e do gosto popular, a TV Sergipe fica cem por cento nas mãos de acionistas sergipanos.

Recapitulando: Albano Franco e seu filho Ricardo, já não vinham se sentindo bem há alguns anos em manter a TV Sergipe na luta contra as novas mídias, internet principalmente. A emissora afiliada da Globo estava acostumada a nadar de braçadas, tanto no setor privado quanto no estatal. Os tempos mudaram nos dois lados do rio.

Na receita nacional a Globo perdeu 26% do faturamento e em Sergipe este percentual foi bem maior. Na matemática de Albano chegava a dar prejuízo.

Se non é vero, é bene trovato.

O fato é que este desconforto se fazia sentir desde os corredores da emissora, passando pelo mercado e agências, chegando até o que ia ao ar. Dava para sentir a falta de vigor, paixão, tesão pelo trabalho.

Agora, em tempos bicudos, manter a emissora líder dava mais trabalho que prazer, ou lucro, conforme seu objetivo. O fato é que no rastro da Rede Bahia, que foi vendida parcialmente para a EPTV, afiliada Globo de Campinas/SP, a opção de procurar algum outro afiliado da Rede interessado em comprar e gerir a TV Sergipe parecia a melhor opção.

Dito e feito. Levou algum tempo, mas o Grupo Integração, de Minas Gerais, mostrou interesse. A TV Integração tem na Rede Globo um excelente conceito, o dinamismo do Superintendente Rogério Nery fez de suas emissoras “cases” de desempenho regional na tv brasileira. Tudo ia bem, mas no meio do caminho, tinha uma pedra (referência ao mineiro mais famoso – o Carlos).

As herdeiras de Cesar Franco, Lourdes/Carolina, detentoras dos 50% restantes, relutaram em aceitar a entrada de um novo sócio, pagaram para ver e no final exerceram o direito de preferência e assumiram a totalidade da TV Sergipe, adquirindo a parte de Albano/Ricardo Franco. Final feliz, imagem congelada, sobe som de música incidental...FIM...

Ainda não... na imagem panorâmica de Aracaju, vista do Morro da Piçarra, o letreiro que aparece é o de: “Veja a seguir, cenas dos próximos capítulos...”

Por mais que aceitemos o dito cultural que é o olho do dono que engorda o boi, devemos levar em conta que o mercado de mídia, no ambiente da revolução digital e na economia ainda em crise, vai exigir mais que controle e pulso firme para resgatar a TV Sergipe da situação em que se encontra. O reposicionamento estará dos dois lados da planilha, não será apenas cortando que a conta vai fechar, também terá de se investir em criatividade, interação e inovação.

Ser empreendedor nos dias de hoje, requer mais que competência, pede também ousadia, coragem e fé, no mercado, no Estado e no principal ativo de um veículo de comunicação: seus talentos. Nos últimos anos a TV Sergipe foi pródiga em se desfazer de profissionais que fizeram a diferença na programação local, em nome de uma pretensa economia, buscando o resultado “rabo-de-cavalo” – cresce para baixo.

Que esta novela de sucesso da TV Sergipe tenha mais e muitos vigorosos capítulos, que surjam personagens novos, produtivos, renovadores dos ares da emissora pioneira do Morro da Piçarra, que se recupere o brilho do passado, mas com o olho no futuro, buscando não a simples “Re-novação”, mas a necessária “I-novação”, modelo capaz de enfrentar e se unir aos novos tempos de desafios digitais.

E que possamos, mais adiante, dizer... no ar, mais um campeão de audiência, na sua, na nossa, TV Sergipe.
_________________
* Nestor Amazonas é jornalista, trabalhou nas emissoras da Rede Globo (SE/BA),
 Rede Manchete (PE/RJ e SP) e Grupo Abril.

Texto reproduzido do site: liberdades.com

sexta-feira, 19 de janeiro de 2018

Pascoal Maynard entrevista Robério Santos





No Expressão desta sexta (19), 7 da noite, na Aperipê TV, entrevista com o escritor e pesquisador Robério Santos.

Reprise no sábado, 4 da tarde.


Clique aqui e assista pela internet: aperipe.com.br

sexta-feira, 12 de janeiro de 2018

Pascoal Maynard entrevista Mário Sérgio

No Expressão desta sexta, dia 12, 7 da noite, 
na Aperipê TV, entrevista com o radialista Mario Sergio Felix,
 sobre a obra do músico e compositor João Mello.
Reprise no sábado, 4 da tarde.

sábado, 30 de dezembro de 2017

É hora de cancelar a TV a cabo?


 Publicado originalmente no site da revista Exame, em 10 jul 2017

É hora de cancelar a TV a cabo?

Avanço de serviços de streaming de qualidade, como Netflix e Amazon Prime Video, levam clientes a rever gastos com TV a cabo

Por Katia Cardoso 

Entre as séries oferecidas pelo novo serviço de streaming da HBO está Game of Thrones, uma das maiores audiências da TV paga. (HBO/Divulgação)

São Paulo – A necessidade de reduzir custos, aliada à maior oferta de serviços de streaming, como a Netflix, tem levado muita gente a questionar se ainda vale a pena manter a TV paga. Reflexo disso é que os números do setor seguem em declínio. De janeiro de 2016 a janeiro de 2017, o serviço registrou retração de 1,9%. Em números, a queda foi de 364.400 assinantes. Só em janeiro deste ano, 105 000 clientes abandonaram o serviço, segundo os dados mais atualizados da Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel).

Segundo especialistas, os combos ainda são um fator relevante para que as pessoas continuem assinando. Mas, com a concorrência se acirrando dia após dia, a tendência é que, aos poucos, as operadoras passem a oferecer produtos menos engessados. Para Rodrigo Arnaut, vice-diretor de TV por assinatura e novas mídias da Sociedade Brasileira de Engenharia de Televisão (SET), associação de São Paulo que estuda esse mercado, as pessoas “estão mais exigentes e querem conteúdo de qualidade com bom preço”. Não sem razão, há cada vez mais gente trocando os pacotes completos por um plano avulso de internet mais um serviço de streaming.

Quem fez esse movimento recentemente e está satisfeito foi Glécyo Pereira de Medeiros, de 35 anos, de São Paulo. Depois de sair do emprego e virar autônomo, ele precisou fazer ajustes nas contas. Gastava 250 reais num combo com TV por assinatura, internet e telefone fixo. Cancelou e, desde fevereiro, paga 130 reais apenas pela internet (15 megabytes) e pelo telefone fixo — mantido por causa da mãe, de 62 anos, que mora com ele. Para assistir a séries e filmes, possui a Netflix, pela qual paga hoje pouco mais de 22 reais por mês.

No total, fez uma economia de 40%. “Além do gasto alto, ficava incomodado porque, muitas vezes, queria assistir a algo na TV paga, mas os horários eram ruins para mim”, diz o consultor de TI. Valter Police, especialista em finanças pessoais pela Associação Brasileira de Planejadores Financeiros (Planejar), diz que na hora de decidir o que cortar, deve-se analisar as necessidades com atenção. “Observe quantas vezes assiste a cada canal e com que frequên­cia. Compare também a velocidade e a quantidade de dados oferecidas nos combos e ponha tudo na ponta do lápis para não sair perdendo”.  Só depois de fazer um levantamento minucioso, decida o que vale a pena manter ou não. Isso evitará trocar gato por lebre.

Opção não falta*

Amazon Prime Video
traz conteúdos originais e exclusivos da Amazon, além de filmes e programas de TV. Boa parte das produções está em inglês, idioma original, mas há alguns títulos legendados. Exemplos: Seinfeld, The Walking Dead, Mr Robot. Basta se cadastrar e deixar um número de cartão de crédito internacional para obter uma semana de acesso gratuito.

Valor: 2,99 dólares mensais nos seis primeiros meses. Após esse período, o preço sobe para 5,99 dólares.


HBO Go
permite acompanhar episódios inéditos das famosas séries do canal, como Game of Thrones, e dos premiados filmes que compõem seu catálogo de produções.

Preço: a partir de
34,90 reais (para clientes oi; por enquanto, só está disponível no Espírito Santo, no Distrito Federal, na Bahia e em Mato Grosso do Sul)


Studio+
Na onda para ganhar clientes oriundos da tv paga, a Vivo lançou um aplicativo com produções on demand. São 43 séries curtas, com no máximo 10 minutos de duração e dez episódios para smartphones. Há comédia, romance, ficção e drama. Para os amantes de luta, por exemplo, existe a série Death Corner — estrelada pelo lutador brasileiro Rogério Minotauro Nogueira.

Preço: 12,90 reais por mês (a primeira mensalidade é gratuita)


Looke
Concorrente brasileiro da Netflix, funciona de modo parecido, mas com um diferencial: tem uma espécie de locadora virtual em que é possível alugar títulos. Assim como em outras plataformas de streaming, oferece filmes, séries e lançamentos — incluindo os do Oscar deste ano, como La La land. No catálogo, há mais de 12 000 títulos — e algumas séries brasileiras.

Valor: a partir de 16,90 reais por mês


Netflix
Pioneiro e mais forte concorrente no Brasil até o momento, tem um sofisticado sistema de monitoramento e recomendação de filmes para seus assinantes. Conta com títulos e séries como Greys Anatomy, Friends, House of Cards, Breaking Bad e Narcos,
entre outras produções.

Valor: 19,90 reais (básico), 22,90 reais (médio) e 29,90 reais (premium). Novos assinantes ganham um mês grátis.


É hora de fazer as contas*

Decidiu que precisa realmente rever seus planos de internet, telefone fixo e TV por assinatura? Então, antes de cortar seu pacote, confira dicas de Myrian Lund, professora na Fundação Getulio Vargas do Rio de Janeiro e especialista em finanças pessoais. Segundo ela, qualquer cálculo deve levar em conta quanto você vai economizar por ano. Por exemplo: um valor de 50 reais num mês pode parecer pouco, mas, quando é multiplicado por 12 (o período de um ano), essa quantia se transforma em 600 reais — isso se você não investir em algum tipo de aplicação, rendendo de 8% a 10% a mais. “Atualmente, por menor que seja a economia, no prazo de um ano pode significar um valor interessante e até a chance de realizar algum projeto.”

TV a cabo, internet e telefone fixo (Combo)

Como as operadoras dificilmente têm pacotes com a mesma velocidade ou, pelo menos, combos semelhantes, você vai precisar de atenção e bastante paciência para comparar as vantagens e desvantagens de cada combo. O ideal, então, é avaliar primeiro sua necessidade. Na Vivo, o pacote de 25 megabits custa 134,80 reais (com telefone fixo, TV e banda larga). Na NET, o plano com TV, internet de 15 megabits e telefone fixo custa 169,70 reais. Já na Sky, sai por 103, 80 reais por mês com TV paga e 2 megabits de internet.

O que avaliar: há necessidade de linha fixa? alguns programas que são indispensáveis para você só existem na tv paga? “No caso do fixo, a chegada do WhatsApp permite falar com qualquer um sem ter telefone em casa”, diz Myrian. Uma linha fixa representa um custo mensal em torno de 23 reais — ou 276 reais por ano, o equivalente a um ano do plano médio da Netflix. Se optar por um combo, observe as cláusulas de fidelidade: Algumas operadoras exigem carência e cobram multa para cancelar o serviço.

Internet + serviço de streaming

O valor mensal para internet fixa no Brasil com velocidade suficiente para assistir a filmes e seriados em tempo real sem sofrer com problemas de conexão começa em 89,90 reais, cobrado pela net por um plano de 15 megabits. na Tim, o valor é de 139,90 no primeiro mês, com taxa de adesão. Depois, cai para 89,90 reais, com 35 megabits. Na Vivo, o plano de 25 megabits custa 114,99 ­reais ao mês. No caso de internet móvel, os valores começam em 134,90 reais na Tim para 5 gigabytes e em 124,99 na Vivo para 6 gigabytes — no plano família, sendo cobrado o mesmo valor para a segunda linha. já na Sky o pacote básico com 2 megabits custa 73,90 reais.

O que avaliar: se um pacote com internet a partir de 15 megabits (velocidade aceitável) custa 89,90 reais e um serviço de streamig tem valor a partir de 19,90, por cerca de 110 reais ao mês você já consegue assistir a filmes e séries com ótima qualidade. isso representa uma economia de 60 reais (600 reais em um ano) em relação a um combo da Net, por exemplo.

Internet + Televisão (aberta e paga)

Já existem opções diferenciadas para quem curte televisão paga, mas deseja fugir da inflexibilidade dos combos. Além da TV aberta, que é gratuita (basta ter um conversor digital, que custa a partir de 75 reais e é vendido em grandes lojas de eletroeletrônicos), já existe TV por assinatura pré-paga.

O que avaliar: se o desejo é assistir a um ou outro produto da TV paga, a Sky disponibiliza um serviço pré-pago. O cliente compra o receptor em lojas virtuais, como Ponto Frio, Casas Bahia e Shoptime, a partir de 99 reais e coloca créditos a partir de 32,90 reais — com direito a 15 dias de programação e acesso a 98 canais. Não há contrato e a recarga é feita pelo site, com cartão de crédito ou boleto. se o interesse for pelo conteúdo aberto, há ainda o Globo Play, espécie de plataforma streaming da Globo na qual é possível assistir séries, programas e novelas da emissora. hoje, o canal tem oferecido o serviço de graça. Basta fazer o cadastro em globoplay.globo.com.

*valores pesquisados no mês de maio e sujeitos a alterações

Texto e imagem reproduzidos do site: exame.abril.com.br

Jozailto Lima entrevista Carolina Franco, presidente da TV Sergipe

Carolina Franco: “A sociedade continuará a ter um grupo 
de comunicação comprometido com Sergipe”

Carolina Franco: "Com audiências crescentes, a marca de 
100 milhões de pessoas foi ultrapassada algumas vezes"

Publicado originalmente no site JL Política, em 21 de Dezembro de 2017

Carolina Franco: “Para mim e minha mãe, Grupo TV Sergipe é mais que um bom negócio”

Quem faz um negócio como Lourdes Franco e sua filha Carolina Teles Franco acabaram de realizar, com a aquisição de 50% do Grupo TV Sergipe em mãos do cunhado e tio Albano Franco, fatalmente entra no radar de muitas curiosidades. Afinal, a TV Sergipe com seus mais três anexos não são qualquer coisa. Significam muito para a comunicação social que desempenham no Estado.

E significam muito mais para as duas figuras que arremataram o negócio. “O grupo que inclui a TV, a FM e os portais sempre foi muito querido por nós. Ele é, para mim e minha mãe, mais do que um bom negócio: é uma extensão de nossa família. Vale lembrar que meu pai, César Franco, comandou o grupo e deixou um legado até hoje lembrado”, diz a Carolina Teles Franco, diretora-presidente, uma jovem graduada em Marketing e Propaganda pela Universidade Estadual de Londrina, no Paraná.

Bem-fundamentada e segura de si e do negócio que elas acabaram de fazer, Carolina Franco aponta razões mil para refutar a tese de que o mercado de TVs abertas estaria, digamos assim, balançando para o pior. “Esta reflexão não encontra fundamento em nenhuma informação concreta, baseada em estudos aceitos pelo mercado. O que os críticos não entendem é que o avanço da tecnologia só fortaleceu nosso conteúdo de TV aberta”, diz Carolina.

“Sobre este assunto, aliás, o que há é muita desinformação e achismo. Em 2017, nossa base de telespectadores cresceu. Temos mais audiência e participação. Ou seja, mais aparelhos estão ligados e, entre estes, ligados na TV Sergipe, líder absoluta em todos os programas e horários, segundo os dados da empresa de pesquisas Kantar/Ibope”, reforça Carolina Franco. Leia a entrevista que ela concedeu à coluna Aparte.

Aparte - A senhora e a sua mãe estão felizes com o negócio que fizeram, ao arrematarem os 50% da sociedade com Albano Franco na TV Sergipe, na FM Sergipe e nos portais G1 Sergipe e Globo Esporte Sergipe?
Carolina Teles Franco - Sem dúvida. O grupo que inclui a TV, a FM e os portais, sempre foi muito querido por nós. Ele é, para mim e minha mãe, mais do que um bom negócio: é uma extensão de nossa família. Vale lembrar que meu pai, César Franco, comandou o grupo e deixou um legado até hoje lembrado. Gostaríamos, claro, que meu tio, Albano Franco, continuasse esta trajetória vitoriosa ao nosso lado, mas como ele optou em sair, nós nos sentimos quase que na obrigação de adquirir os outros 50%, por tudo que o grupo representa para nós e para a sociedade sergipana.

Aparte - O que significaria para as senhoras e para os empreendimentos em si se o sócio fosse para alguém de fora do Estado, como estava para se materializar?
CTF - Para nós, foi uma honra ver outras afiliadas interessadas em dividir conosco o comando desta empresa. Isto prova a solidez do grupo e a relevância do negócio. Se a venda fosse realizada para uma emissora de outro Estado, tenho certeza que a TV, a FM e os portais continuariam fortes e líderes de seus respectivos mercados. Ter um sócio, daqui ou de fora, nunca foi um problema. Apenas decidimos exercer nosso direito de preferência de compra, por entendermos ser uma boa oportunidade de negócio e, como já disse, pela nossa ligação emocional com ele.

Aparte - O que é que a sociedade sergipana pode esperar da TV Sergipe, da FM e dos portais pertencentes agora somente às senhoras? Muda alguma estratégia na forma de atuarem?
CTF - A sociedade continuará a ter um grupo de comunicação comprometido com Sergipe e com a missão de levar, através de várias plataformas, um conteúdo de qualidade, com responsabilidade. Clientes e agências continuarão podendo contar com a nossa parceria, que oferecerá, a cada dia mais, um leque de boas oportunidades, fortalecendo, assim, as suas marcas e contribuindo com a economia do Estado. Os telespectadores, ouvintes e internautas, por sua vez, continuarão a encontrar em nossos veículos conteúdos relevantes, com nossa identidade regional. Certamente, as mudanças na gestão virão, e isso é natural do negócio. Afinal, as áreas de comunicação e tecnologia se renovam diariamente e, neste caminho, vamos adotar as práticas que se fizerem necessárias para nos adaptarmos às novas realidades.

Aparte - Do ponto de vista tecnológico, em que pé se encontram a TV Sergipe e os demais veículos? Eles estão atualizados ou carentes de investimentos?
CTF - Temos hoje um parque tecnológico moderno e atualizado. Juntamente com os antigos sócios, fizemos investimentos em equipamentos, infraestrutura, softwares e capacitação dos nossos colaboradores. Tudo isso permitiu, por exemplo, estarmos neste momento prontos e tranquilos para realizar o desafio do desligamento do sinal analógico da TV, que ocorrerá dia 30 de maio do próximo ano.

Aparte - Não pesou sobre as senhoras a suspeita de que as perspectivas das TVs abertas não sejam lá tão futurosas, como foram há 20 anos?
CTF - Pelo contrário. Esta reflexão não encontra fundamento em nenhuma informação concreta, baseada em estudos aceitos pelo mercado. Sobre este assunto, aliás, o que há é muita desinformação e achismo. Em 2017, nossa base de telespectadores cresceu. Temos mais audiência e participação. Ou seja, mais aparelhos estão ligados e, entre estes, ligados na TV Sergipe, líder absoluta em todos os programas e horários, segundo os dados da empresa de pesquisas Kantar/Ibope.

Aparte - Os indicativos da matriz também apontam nesta direção?
CTF - Sim, os números da Globo também comprovam a força do negócio. De janeiro a setembro deste ano, a Globo teve um alcance médio diário de 98 milhões de pessoas, o maior índice desde 2011. Com audiências crescentes, a marca de 100 milhões de pessoas foi ultrapassada algumas vezes. No acumulado do mês, são 190 milhões, equivalente a 95% das pessoas com TV em casa no Brasil. Vale reforçar ainda que a internet só tem fortalecido a TV aberta e não o contrário, como pensam alguns. A internet, aliás, só ampliou o alcance do conteúdo da TV aberta. Nos seus ambientes digitais, a Globo fala com uma média de 14 milhões de pessoas por dia. De acordo com os dados da comScore, o conteúdo Globo em plataformas como G1, globoesporte.com, GShow e Globo Play impactou 64 milhões de brasileiros por mês, entre janeiro e agosto, dados mais recentes até agora.

Aparte - A senhora, então, não identifica lógica na visão de alguns desses críticos?
CTF - O que os críticos não entendem é que o avanço da tecnologia só fortaleceu nosso conteúdo de TV aberta, hoje exibido em mais janelas e, portanto, disponível para mais pessoas na plataforma que elas escolherem, no dia e hora que desejarem consumir. Sendo assim, é um público impactado maior e mais possibilidades de negócios envolvendo o conteúdo produzido pelo nosso grupo.

Aparte - A aquisição pelas senhoras envolve o complexo imobiliário do Morro da TV, onde ficam as sedes das duas empresas?
CTF - Por uma questão de cláusula contratual, não podemos comentar este assunto.

Aparte - É invasivo perguntar-lhe quando custou o negócio?

CTF - Também em função de uma cláusula contratual, esta informação não podemos divulgar.

Texto e imagens reproduzidos do site: jlpolitica.com.br

segunda-feira, 11 de dezembro de 2017

Magnífica 70' recebe prêmio de Associação Argentina de Televisão


Publicado originalmente no site Resenhando, em 02 de dezembro de 2017

Magnífica 70' recebe prêmio de Associação Argentina de Televisão

Magnífica 70, produção original da HBO Latin America realizada no Brasil, recebeu em 30 de novembro, o prêmio da Associação Argentina de Televisão a Cabo (ATVC) na categoria Melhor Programa de Interesse Geral. Os prêmios ATVC são entregues todos os anos em Buenos Aires aos melhores programas da televisão por assinatura.

Magnífica 70 é uma série que aborda o mundo da pornografia e da censura no Brasil durante os anos 70. Vicente, um censor do regime militar da época, fica fascinado pela atriz Dora Dumar ao analisar o filme A Devassa da Estudante. Esse fascínio o levará até a Boca do Lixo, polo cinematográfico de São Paulo na época, onde começará a trabalhar com Dora e Manolo, o dono da produtora Magnífica.

A série é protagonizada por Marcos Winter,  Simone Spoladore, Adriano Garib, Maria Luiza Mendonça, Paulo Cesar Pereio, Joana Fomm, Bella Camero e Stepan Nercessian, e tem direção de Claudio Torres. Em 2018, a HBO Latin America lançará a terceira temporada da série.

Desde 2004, a HBO Latin America produz conteúdo original na região, incluindo séries aclamadas pelo público como O Jardim de Bronze, O Hipnotizador, A Vida Secreta dos Casais, Magnífica 70, Psi, O Negócio, Sr. Ávila, Prófugos, Alice, Capadócia, Filhos do Carnaval, Mandrake e Epitáfios. Exibidas simultaneamente em toda a América Latina, as produções são reconhecidas por incentivar a criatividade, desafiar os padrões de produção e lançar novos talentos no mercado.

Sobre HBO Latin America: É a rede de televisão por assinatura premium líder na região, respeitada pela qualidade e pela diversidade de sua programação, incluindo séries, filmes, documentários e especiais originais, além da exibição de séries exclusivas e de alguns dos mais recentes blockbusters de Hollywood, antes de qualquer outro canal premium. A programação é exibida em HD em mais de 40 países da América Latina e do Caribe por meio dos canais HBO, HBO2, HBO Signature, HBO Plus, HBO Family, HBO Caribbean, MAX, MAX Prime, MAX UP, MAX Caribbean e Cinemax. Seu conteúdo também é oferecido em outras plataformas, como a HBO GO e HBO On Demand.

Texto e imagem reproduzidos do site: resenhando.com

quarta-feira, 6 de dezembro de 2017

Lourdes Franco: fatura liquidada, a TV Sergipe é 100% de Sergipe


Publicado originalmente no site  JLPolítica, em 05 de Dez de 2017

Lourdes Franco vence embate com Minas e fica com 100% da TV

Lourdes Franco: fatura liquidada, a TV Sergipe é 100% de Sergipe

A empresária Lourdes Franco e sua única herdeira, Carolina Franco, detentoras de 50% das ações da TV Sergipe na sociedade com o empresário Albano Franco, fizeram valer o direito preferencial de que dispunham no arranjo societário e fecharam negócio pelo arremate dos 50% que estavam em mãos do irmão do seu falecido marido e pai, Cesar Franco.

Com isso, foi dada por encerrada nesta segunda-feira a negociação que Albano Franco vinha mantendo há cerca de quatro meses como empresário mineiro Rogério Simões, dono da Rede Integração, que tem uma série de afiliadas da TV Globo dentro do Estado de Minas Gerais.

A confirmação do fechamento do negócio foi dada com exclusividade à coluna Aparte nesta terça-feira pelo empresário Ricardo Franco, um dos dois herdeiros de Albano Franco. “O destino da nossa participação na TV Sergipe foi resolvido. Já está tudo assinado e ficou com as duas outras sócias”, disse Ricardo Franco, numa referência a Lourdes e a Carolina Franco.

“A verdade é a seguinte: tínhamos a proposta de Minas Gerais bem encaminhada, mas a mãe e a filha tinham, naturalmente, o direito de preferência, e quiseram usá-lo. Isso é legal, e elas exerceram esse direito de preferência. Acabou. Foi resolvido o negócio muito bem. Nós achamos que foi um negócio bom para ambas as partes”, disse Ricardo, sem nenhum remorso de ter aberto mão dos 50% do seu tronco familiar.

“Assinamos tudo ontem, última segunda-feira, e agora vamos fazer os ritos normais da transmissão da empresa”, reforça Ricardo. Zeloso com os negócios da família, Ricardo se recursa a dizer quanto custou - assim como não revelava quanto seria na transação com Rogério Simões - e nem como se dera o pagamento.

“Não tinha multa nenhuma frente ao trato mineiro. Fomos apenas guiados pelo direito de preferência. O empresário de Minas é um cara muito bom, mas acho que a solução daqui foi também muito boa para Sergipe. As duas opções seriam boas para nossa parte”, reforça.

Aliás, a ruptura societária selada entre Albano Franco e Lourdes Franco/Carolina Franco nesta segunda-feira encerra um marco importantíssimo na família Franco: ele, a cunhada e sobrinha compunham a única sociedade entre herdeiros de Augusto Franco desde 1993, quando o médico, industrial e ex-governador fez a partilha de seus bens entre seus filhos. Os demais que saíram juntos em 93 já haviam se resolvido.

A coluna Aparte fez contatos com Lourdes Franco nesta terça-feira para saber o sentimento dela frente à solução para o negócio TV Sergipe. Reservada, Lourdes preferiu não falar. Mas deixou patente que está contente com o desfecho.

Através de um dos executivos da TV Sergipe, o jornalista Fábio Carneiro, gerente de Programação, que por vezes assume a posição do porta-voz da empresa, Lourdes Franco disse que vai esperar o momento oportuno para falar. “Assim que o assunto for resolvido, eu comunico oficialmente”, teria dito Carolina Franco ao porta-voz. “Ela só quer falar quando tudo for resolvido 100%”, disse Fábio. A coluna Aparte entende e acolhe.


Publicado originalmente no site  JLPolítica, em 05 de Dez de 2017

A TV Sergipe e o direito de não ser mineira

TV Sergipe: que fique em Sergipe

Desde que o empresário Albano Franco começou a negociar com o empresário mineiro Rogério Simões a venda dos seus 50% de participação na TV Sergipe, uma série de comentários de desconforto tomou conta do mercado.

Um desses comentários dizia que a venda estava sendo embargada por Lourdes Franco, a dona dos outros 50%, em virtude de discordar do modelo de gestão que Rogério Simões adotaria se passasse a ser dono da outra parte da TV.

O modelo de gestão apontava para a retirada pela cepa da TV Sergipe dos limites de Sergipe, levando-a para bem longe, onde desenvolver-se-ia a sua administração e outras decisões, deixando o Estado apenas como um apêndice provedor de conteúdos decididos lá das terras alterosas do Brasil.

Na verdade, esse modelo nunca foi tratado de público por nenhuma das três partes envolvidas - Albano, Lourdes e o ex-futuro novo dono Rogério. Mas o que se dizia na praça era que Lourdes, feito uma leoa frente à sua cria, entesara. Não aceitava que fosse assim.

Se ela se portou desse modo, portou-se bem. Porque, mesmo sem bairrismos afetados, Sergipe não merece mais um golpe de esvaziamento de suas instituições. E a TV Sergipe é, sim, uma instituição da sergipanidade - assim como a TV Atalaia, você goste ou não delas, leitor.

Mesmo que a matriz Globo lhe passe um garrote constante, lhe engesse, lhe subtraia direitos e prerrogativas de programação, a TV do Morro da TV é uma instituição de quase 50 anos de serviço dos sergipanos. E, portanto, conquistou e merece respeito.

Certamente, Lourdes e sua filha Carolina estão preparadas para mantê-la num patamar de fazê-la servir bem mais a Sergipe. Portanto, quando elas exerceram um direito de preferência, o fizeram em nome de Sergipe. Não quereríamos, sim, uma TV Sergipe à mineira.

Texto e imagens reproduzidos do site: jlpolitica.com.br

quinta-feira, 30 de novembro de 2017

Jornalista sergipana vence Prêmio Fenacor de Jornalismo no RJ

Foto: redes sociais

Publicado originalmente no site F5 News, em 29/11/2017

Jornalista sergipana vence Prêmio Fenacor de Jornalismo no RJ

Por Will Rodriguez

A jornalista Aline Aragão conquistou o Prêmio Nacional de Jornalismo de Seguros para Sergipe. Ela venceu em primeiro lugar na categoria telejornalismo pela TV Atalaia. 

A premiação promovida pela Fenacor aconteceu na noite desta quarta-feira (29), no Rio de Janeiro.Aline, que já tinha levado a segunda colocação no prêmio do Sindicato dos Corretores de Sergipe, ganhou com uma reportagem na qual ela apresenta o aumento do roubo de veículos no Estado, bem como as diferenças entre o seguro automotivo e a proteção veicular.

Na matéria, produzida em parceria com o repórter cinematográfico Augusto Beca, Aline Aragão, que também é repórter do Portal F5 News, aborda a atuação ilegal das empresas que ofertam a proteção veicular e estão na mira do Ministério Público.

O trabalho da repórter sergipana concorreu com outras nove reportagens de todo o país, duas delas também produzidas em Sergipe.

Texto e imagem reproduzidos do site: f5news.com.br

quinta-feira, 23 de novembro de 2017

SKY PLAY chegando na SKY







Publicado originalmente no Antenados na Sky e Cia, em  20/04/2017

SKY PREPARA O LANÇAMENTO DE SUA PLATAFORMA ON LINE "SKY PLAY"

A Sky Brasil, operadora de TV por assinatura via satélite, está prestes a lançar uma versão OTT de seu serviço. A ideia é levar o conceito multi-tela para quem já é cliente da empresa. O aplicativo, batizado Sky Play, terá ferramenta de vídeo sob demanda por streaming, mas também vai trazer canais lineares.

Os clientes poderão assistir à programação em qualquer dispositivo compatível: computador, tablet, smartphone ou smartv. “A gente vai lançar o produto em dois meses, com cinco mil  títulos VOD, vai ter canal linear. Mas nosso principal produto continuará a ser a TV por assinatura”, ressaltou Agricio Silva Neto, vice-presidente de marketing e programação da Sky Brasil, durante o evento NexTV Series, que aconteceu hoje, 19, em São Paulo.

A nova plataforma estará disponível tanto para os usuários pré-pagos, quanto para os pós-pagos da Sky. Segundo o executivo, a empresa se baseia na demanda do público, cada vez mais digital e ávida por assistir ao conteúdo em qualquer lugar, não apenas na TV.

“Os últimos três anos de recessão econômica fizeram com que todos nós revíssemos nosso consumo. O pré-pago, que a gente sempre achou que seria algo dedicado apenas à classe baixa, hoje atinge muita gente, é usado também por quem tem uma segunda casa. Vemos que [a TV por assinatura] tem ainda muito o que crescer, que conteúdo de qualidade tem seu lugar. Temos que pensar na forma como distribuir isso”, frisou.

Conforme os últimos dados da Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel), a Sky Brasil terminou fevereiro com 5,2 milhões de assinantes de TV, praticamente mesma base de janeiro. Em um ano, perdeu 2,68% da base. A empresa é a segunda maior em número de usuários de TV paga no país, atrás apenas da Claro (Net).

Por Rafael Bucco.


---------------------------------------------------------------------------------------

Publicado originalmente no Antenados na Sky e Cia, em 22/11/2017

SKY PLAY tem data de lançamento, veja detalhes do serviço

Estava previsto o lançamento do SKY PLAY para próxima quarta feira 22 de novembro, mas o lançamento foi adiado para o dia 29 do mesmo mês.

O serviço vinha sendo testado a algumas semanas por alguns assinantes de determinados locais do país.

O que é o SKY PLAY e como será ?

SKY PLAY será o serviço de videos ON DEMAND da SKY.

Está previsto a SKY ter em seu catálogo por volta de 1000 conteúdos no lançamento e por volta de 1 ano chegar em 5000 conteúdos.

Os filmes recentes, lançamentos e pré lançamentos serão pagos entre R$5,90 e R$16,90

O restante gratuito (conteúdos dos canais)

O SKY PLAY funcionará diretamente pelo decoder da SKY (PLUS e MÍDIA CENTER) que precisarão estar conectados a internet para terem acesso ao serviço.

Os conteúdos serão separados por canal, gêneros, mais assistidos, tipos de conteúdo (séries, filmes, programas etc)

Alguns canais que deverão ter conteúdo no SKY PLAY logo na estreia do serviço:

TELECINE
FOX PREMIUM
ANIMAL PLANET
MTV
DISCOVERY
NICKELODEON
COMEDY CENTRAL
FOOD NETWOOK
DISCOVERY TURBO
TLC
SUNDANCE TV
etc.

Com o tempo o conteúdo de mais canais vão sendo adicionados.

Para ter acesso aos conteúdos dos canais o assinante deverá ter o canal em seu pacote contratado.

Texto e imagens reproduzidos do site: antenadosnaskyecia.blogspot.com.br

sábado, 18 de novembro de 2017

Sede da TV Alese, em Aracaju/SE.

TV Alese, na Avenida Ivo do Prado, em Aracaju/SE.

Instalação da antena da TV Sergipe, em Aracaju/SE.

Antiga torre do cata-vento da cidade de Riachuelo/SE, 
que passou a ser a base da antena da TV Sergipe, em Aracaju/SE.
Foto reproduzida do site: cidades.ibge.gov.br

terça-feira, 26 de setembro de 2017

SKY PLAY na SKY



Publicado originalmente no blog Antenados na SKY e Cia, em Setembro/2017.

SKY PLAY - Lançamento em breve, veja como funcionará

A operadora SKY esta realizando testes do SKY PLAY com clientes nas cidades de Recife, Campinas, São Paulo, Curitiba, e Brasília.

Veja abaixo informações sobre o novo serviço da SKY:

1. O que é o SKY PLAY:
SKY PLAY é  o novo serviço de vídeo on demand da SKY. No SKY Play, integramos milhares de conteúdos gratuitos e para alugar em uma única plataforma.

2. O que é necessário para utilizar o Produto?
Ter um equipamento que permita conexão com a internet (são os equipamentos com função de gravação - MIDIA CENTER ou HDTV PLUS) e pacote de internet fixa de qualquer operadora acima de 10 MBps. Além disso, você precisará estar com suas contas em dia com a SKY.

3. Como é feita a conexão?
Para conectar o equipamento à Internet, use um cabo de rede. Conecte uma de suas pontas na parte de trás de seu modem, na porta LAN ou ETHERNET. Feito isso, conecte a outra ponta do cabo no seu próprio equipamento, na porta ETHERNET. Ok, as duas pontas do cabo de rede já estão conectadas, certo? Você deve receber uma mensagem na sua tela informando que seu aparelho está conectado.

4. Preciso fazer alguma configuração no meu equipamento?
Se o seu aparelho não conectar imediatamente após ligar o cabo de rede, tenha em mãos o seu controle remoto SKY para prosseguir com a configuração manual. Vamos lá?
Aperte o botão MENU do seu controle remoto. Na tela, selecione AJUSTES E AJUDA. Depois, selecione AJUSTES e na sequência, CONFIGURAÇÕES DE REDE. Selecione a opção CONECTAR AGORA. Aí, é só nomear o seu equipamento como você quiser, escolher a opção SALVAR NOME e aguardar. Pronto! Seu equipamento já está conectado! Viu só como é fácil?!

5. Qual canal de acesso do SKY Play na TV?
O SKY Play poderá ser acessado no Canal 1 da sua SKY.

6. Como posso assistir aos conteúdos gratuitos?
Ao selecionar um conteúdo gratuito no SKY Play você verá diretamente a opção “Reproduzir”. Para assistir basta selecionar essa opção para iniciar o download e a reprodução. Outra forma de identificar se um conteúdo é gratuito é a ausência de preço ou do selo com o $. Entre conteúdos gratuitos há trailers e conteúdos dos canais de TV. Atenção: você só conseguirá assistir a um filme ou programa de um canal no SKY Play se esse canal estiver no seu pacote de TV por assinatura. Exemplo: Apenas o cliente com o canal Telecine em seu pacote terá acesso, sem custo adicional, aos conteúdos do Telecine Play no SKY Play.

7. Como identifico um conteúdo pago?
Os filmes para alugar estão marcados com o selo $. Após alugar, você terá 24 horas para assistir. Há diferentes preços de acordo com os tipos de filmes. Aqueles que acabaram de sair do cinema são os pré-lançamentos, e estão por R$ 16,90. Lançamentos também são filmes recentes e estão por R$ 11,90. Já os clássicos e outros filmes menos recentes podem ser alugados por R$ 5,90.

8. Os conteúdos estão gravados no meu equipamento?
Os conteúdos estão armazenados online. Por isso, para assisti-los, o cliente precisará conectar o seu equipamento à Internet. Após a conexão, ele poderá fazer o download e reproduzir na sua TV. Os filmes alugados ficam gravados no seu equipamento enquanto o aluguel estiver vigente. Após expirarem as 24h, eles serão automaticamente apagados. No caso dos conteúdos gratuitos, eles só serão apagados do seu equipamento se você fizer a exclusão da gravação ou então se a memória do equipamento for esgotada, para que novos conteúdos possam ser baixados.

9. Quais os gêneros disponíveis no SKY Play?
Há vários gêneros disponíveis, tanto para Filmes como para Programas de TV. Em cada uma dessas categorias, é possível navegar entre gêneros para chegar ao conteúdo que você quer. Você pode navegar selecionando os itens do menu à esquerda da tela.

10. Como os filmes alugados aparecerão na fatura?
Na Missão SKY Play, a cada missão cumprida você terá filmes para assistir por conta da SKY. Os filmes que você selecionar no Canal 1 aparecerão em sua fatura repetidos: como débito e, logo abaixo, como crédito. Um anulará o outro e você não será cobrado.
Em alguns casos, pode ser que a cobrança venha na fatura de um mês e o crédito correspondente venha só na fatura do mês seguinte. Se isso ocorrer é porque a fatura foi fechada antes da concessão do crédito na sua conta. Em todo caso, não se preocupe se você for cobrado: nós vamos compensar o valor desses filmes para você.

Video que foi enviado para os clientes que estão testando o SKY Play:


Os testes estão previstos encerrar em 20 de Outubro de 2017
A SKY ainda não divulgou a data de lançamento do novo serviço.

Fonte: SKY

Texto, imagens e vídeo reproduzidos do blog:
antenadosnaskyecia.blogspot.com.br

domingo, 24 de setembro de 2017

Programa Expressão



Programa Expressão desta sexta, na Aperipê TV, o Desembargador aposentado e escritor, Pascoal Nabuco e os jornalistas Euler Ferreira e Luiz Eduardo Costa, conversam com Pascoal Maynard.

SERVIÇO:
TV - Aperipê, em HD.
Programa - Expressão.
Apresentação - Pascoal Maynard.
Dias e horários - sexta feira às 19h., reapresentação no sábado às 17h.

sábado, 9 de setembro de 2017

Festa de lançamento do sinal digital da Aperipê TV

 A TV Aperipê agora pode ser sintonizada no canal 6.

Belivaldo Chagas e  João Augusto Gama.

 Irineu Fontes também esteve no evento.

Luiz Fontineli gravou seu DVD na ocasião.

Publicado originalmente no site da SECULT, em 7 de setembro de 2017.

Secretário Gama participa de lançamento do sinal digital da Aperipê TV

A implementação feita pela Fundação Aperipê foi possível graças ao investimento de R$ 3,7 milhões do  governo do Estado em todo processo de digitalização

Após diversos investimentos e parcerias, a Fundação Aperipê lançou oficialmente a transmissão do sinal em alta definição (HD), na última quarta-feira, 06. A partir de agora, o sinal, que estava em fase experimental há alguns dias, poderá ser recebido ao sintonizar no canal 06, das TVs abertas. Já nos serviços de TV por assinatura, a sintonia variará conforme o prestador – Sky Canal, canal 306; Claro, canal 406, GVT, canal 06, entre outros.

Durante a solenidade de lançamento o vice-governador Belivaldo Chagas disse que esses investimentos são necessários para que os sergipanos continuem ser contemplados com um conteúdo e uma transmissão de excelência. “É sempre muito bom participar de momentos tão importantes, e esse investimento de mais de R$3 milhões do governo do Estado mostra que estamos muito comprometidos não apenas com a comunicação em si, mas também com a Cultura. É preciso continuar pensando sempre no fortalecimento do sistema como um todo para que possamos manter a qualidade que tanto buscamos oferecer aos espectadores da TV Aperipê”, complementou Belivaldo.

De acordo com o secretário de estado da Comunicação Social, Sales Neto, essa conquista só foi possível graças ao governador Jackson Barreto. “Tudo isso está sendo possível porque o governador Jackson Barreto acreditou nesse projeto. Ao empoderar essa diretoria, que tem Givaldo como líder de uma equipe de grande competência, o governador reforçou a confiança que tinha nesses investimentos. Hoje, estamos aqui para concretizar uma era de modernidade, que coloca a Aperipê no patamar das emissora que possuem o que há de mais moderno, sendo capaz de levar um conteúdo de qualidade a milhares de sergipanos”, salientou.

O diretor presidente da Fundação Aperipê, Givaldo Ricardo, afirmou que até o ano que vem a cobertura deve abranger todo estado. Inicialmente, o sinal alcançará 45 municípios, e deve chegar a aproximadamente 1,7 milhões de sergipanos. Segundo ele, em todo processo de digitalização, iniciado ainda em 2007, foram investidos R$ 3,7 milhões, valor que deve aumentar ainda mais para que o sinal seja ampliado, pois a data limite para desligamento do sinal analógico é 30 de maio de 2018.

“Esse é um dos momentos mais importantes da história da TV Aperipê, que faz oficialmente hoje sua transmissão em alta definição. Os investimentos vêm acontecendo desde 2007, o que demonstra que para chegarmos até aqui foi preciso muito planejamento. Além disso, não podemos esquecer que esse avanço tecnológico também acompanha os avanços de conteúdo, com a programação cada vez melhor, com um videografismo novo e uma comunicação visual totalmente renovada para que o sergipano tenha concepção de que está recebendo agora uma nova televisão”, garantiu Givaldo.

Para o secretário de estado da Cultura, João Augusto Gama, essa data é um marco cultural e para a comunicação em Sergipe. “Esse é um avanço muito grande principalmente para a TV Pública em Sergipe. A Aperipê está realmente de parabéns por esse avanço, e por todo trabalho que está sendo realizado por quem está à frente da Fundação”, congratulou.

Investimentos

Em maio, a TV Aperipê apresentou à mídia e ao público sua nova parceria com a TV Cultura de São Paulo para a transmissão de programas em rede. Desde então foram criados aplicativos que permitem acessar a programação das rádios Aperipê AM e FM e da Televisão através de tablets (Android e IOS). Também foram criadas novas marcas e modificada toda programação visual.

A emissora possui cerca de 30 programas transmitidos, com ênfase na educação, na cultura e na busca da cidadania. O Programa Educa + TV, por exemplo, é produzido pela Secretaria de Estado da Educação.

Outros programas de destaque são o Jornal da Aperipê (de segunda a sexta às 18h30), o programa Esportivo Bola em Jogo (segunda às 19h), Nossa Terra, Nossa Gente, que abre espaço para apresentação de cantores e artistas sergipanos. O Programa é apresentado nas manhãs de sábado. Há ainda o Programa Sergipe Rural, transmitido ao sábado e reprisado na terça.

A Fundação Aperipê concluiu a recuperação das torres de transmissão da TV e das rádios AM e FM, localizadas no Morro do Urubu e na Emdagro. O investimento foi de R$ 156 mil, em recursos próprios.

Fonte: ASN.

Texto e imagens reproduzidos do site: cultura.se.gov.br